Consultor Jurídico

Reflexões políticas

Lula repete vícios da velha política brasileira, diz Busato

Segundo o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Roberto Busato, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva se afastou das promessas de mudanças e passou a praticar a velha política brasileira, reproduzindo os vícios de seus antecessores e frustrando as expectativas de 53 milhões de brasileiros que votaram nele.

“Lula uniu elite e povo numa mesma esperança, num mesmo sonho, de um Brasil melhor e mais justo. Mas, tal qual seus antecessores, sucumbiu aos vícios da velha política brasileira, vícios que nos têm impedido de realizar a vocação de fraternidade e grandeza antevista pelos fundadores da Pátria”, afirmou Busato em pronunciamento na abertura da XIX Conferência Nacional dos Advogados, em Florianópolis (SC).

Roberto Busato afirmou que o presidente Lula foi eleito com a missão de promover um Brasil sadio, ético e criativo, mas não correspondeu a essa expectativa. O presidente da OAB nacional defendeu para o Brasil uma Operação Mãos Limpas, que devolva as instituições da República brasileira a credibilidade.

No pronunciamento, o presidente da OAB criticou também o fato de que o presidente da República até hoje não tenha proferido, em relação à crise, uma palavra categórica que convença a sociedade de sua inocência em relação ao chamado “Mensalão” – pagamento de mesada a parlamentares da base aliada em troca de apoio a projetos governamentais no Congresso.

“O presidente diz-se traído, mas não revela por quem ou por quê. Traição ao presidente da República não é questão de foro privado – é questão institucional; quem trai o supremo mandatário do país trai o país”, afirmou.

Reforma e crise política

Também participaram da abertura da conferência em Santa Catarina, o ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos e o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Nelson Jobim.

Márcio Thomaz Bastos defendeu uma reforma política urgente e classificou como fundamental a importância dos debates promovidos pela Ordem dos Advogados do Brasil neste momento de crise política. Representando o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, Thomaz Bastos fez um discurso institucional, focado na atuação do Poder Judiciário, e destacou a importância de os advogados discutirem livremente, criando condições para um debate sobre a crise do presente e dos erros já cometidos.

“É fundamental que os advogados criem as condições para o debate dos ajustes que precisam ser feitos e, principalmente, que seja um debate com farol alto, olhando para o futuro, a fim de que possamos construir um Brasil de instituições fortes, livres e democráticas, ou seja, construir um Estado de Direito Democrático”.

O ministro da Justiça defendeu a aprovação de duas reformas, uma infraconstitucional — que dê prosseguimento à reforma do Judiciário, já aprovada — e uma política, para ajudar a reduzir denúncias de corrupção como as atuais, sob exame sucessivo pelas CPIs, Polícia Federal, pela imprensa e Ministério Público.

“Mas a reforma política por si só e por melhor que seja não resolverá a corrupção. O que resolverá a corrupção, se é que a questão da corrupção se resolve definitivamente, é a criação de novas culturas e novas instituições”, afirmou o ministro.

Lições para o futuro

Para o presidente do Supremo, ministro Nelson Jobim, a crise política atual não pode conduzir somente às punições dos protagonistas dos escândalos de corrupção, mas também deixar lições que ajudem o país a avançar.

“Dentro da experiência que vivemos agora precisamos conduzir aos apenamentos necessários, mas também devemos extrair disso tudo o que foi, dentro das regras do jogo político-democrático, que conduziu às distorções”, disse Jobim.

Para ele, há indícios de que entre os fatores responsáveis pela crise estão a concentração de recursos nas mãos do Poder Executivo e as regras vigentes do processo eleitoral.

Jobim sustentou que o direito de defesa dos acusados nos escândalos de corrupção deve ser respeitado e advertiu que o STF está atento à fiscalização da lei. “Condene-se, processe-se, mas se obedeça às regras do jogo, se obedeça o direito de defesa, com absoluta participação da advocacia; e fiquem certos os advogados brasileiros que o STF está presente na fiscalização exata da obediência às instituições republicanas e às regras constitucionais”.

A crise política atual, segundo análise do ministro, “é exclusiva de um setor político do país e não uma crise institucional”. Segundo ele, o risco de procurar situá-la fora desse contexto “é quando se pretende que ela seja uma crise institucional e aí pode se querer recorrer a forças não institucionais para solvê-la”.

O presidente do Supremo sugeriu que os ensinamentos extraídos da crise política devem reforçar o compromisso da advocacia com o direito de defesa. Com experiência de ex-dirigente da OAB no Rio Grande do Sul, Jobim sugeriu que a entidade “deve buscar em sua agenda não só a necessária implantação e segurança e respeito às prerrogativas da categoria, mas deve a Ordem buscar também a discussão, fundamental, de que essas prerrogativas só poderão valer se — e somente se — contribuírem para o conjunto de uma perspectiva nacional de futuro, para que essa participe do pacto deste País com seu futuro”.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 26 de setembro de 2005, 19h26

Comentários de leitores

1 comentário

Como sempre, o Brasil com seus velhos problemas...

Allan (Outros)

Como sempre, o Brasil com seus velhos problemas políticos...

Comentários encerrados em 04/10/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.