Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Polêmica das cotas

Candidata eliminada por cotas em vestibular garante matrícula

A polêmica em torno do sistema de cotas instituído pela Universidade Federal do Paraná parece não chegar ao fim. Num novo capítulo da briga, o juiz federal João Pedro Gebran Neto, da 7ª Vara Federal de Curitiba, concedeu liminar que garante a matrícula de uma candidata que teve nota superior a 28 candidatos cotistas aprovados no vestibular. Cabe recurso.

Sem o sistema de cotas, a candidata -- que não é negra e não estudou em escolas públicas -- teria se classificado para uma das 84 vagas do curso diurno de Direito, precisamente na 71ª posição. As informações são da Justiça Federal do Paraná.

Segundo o juiz federal, o sistema de cotas, oficializado por Resolução do Conselho Universitário da UFPR, impôs novos requisitos objetivos aos candidatos aos cursos de graduação. “Estudante que não é afro-descendente está impedido de concorrer a algumas das vagas, assim como aquele que não usufruiu o ensino público, e não por lei, mas por ato administrativo de cunho regulamentar”.

Para Gebran Neto, isso afronta diretamente a regra que determina que “ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei, bem como a obrigatoriedade de a administração pública atuar nos estritos limites da legalidade”.

O juiz determinou ainda que a universidade que apresente, em 20 dias, a relação completa dos aprovados no curso de Direito diurno da instituição.

Revista Consultor Jurídico, 19 de março de 2005, 13h18

Comentários de leitores

10 comentários

(continuando) Com os negros, a situação não édi...

Rodrigo Cipriano dos Santos Risolia (Estudante de Direito - Tributária)

(continuando) Com os negros, a situação não édiferente. Existem muitos negros que já não são pertencentes a "classes desfavorecidas". Os pais estão inseridos nas classes altas da sociedade, são médicos, advogados, juízes, dentistas. Portanto, inexiste igualdade material no sistema de cotas.

(continuando) Com os negros, a situação não édi...

Rodrigo Cipriano dos Santos Risolia (Estudante de Direito - Tributária)

(continuando) Com os negros, a situação não édiferente. Existem muitos negros que já não são pertencentes a "classes desfavorecidas". Os pais estão inseridos nas classes altas da sociedade, são médicos, advogados, juízes, dentistas. Portanto, inexiste igualdade material no sistema de cotas.

(continuando) Com os negros, a situação não édi...

Rodrigo Cipriano dos Santos Risolia (Estudante de Direito - Tributária)

(continuando) Com os negros, a situação não édiferente. Existem muitos negros que já não são pertencentes a "classes desfavorecidas". Os pais estão inseridos nas classes altas da sociedade, são médicos, advogados, juízes, dentistas. Portanto, inexiste igualdade material no sistema de cotas.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 27/03/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.