Consultor Jurídico

Cadeiras vagas

TRF-5 abre concurso pra preencher 57 vagas de juiz federal

O Tribunal Regional Federal da 5ª Região, sediado em Recife (PE), abriu o VII Concurso Público para juiz federal substituto. Nele, serão selecionados candidatos para preencher 57 vagas, sendo 25 imediatas e as demais na medida em que surgirem novos postos, em decorrência da implantação das novas Varas, durante o prazo de validade do concurso. As informações são da Justiça Federal do Rio Grande do Norte.

A remuneração inicial é de R$ 10.464,14 e a seleção será composta de quatro etapas, com prova objetiva, prova subjetiva, prova oral e avaliação de títulos.

As inscrições estarão abertas de 20 de junho a 01 de julho nas agências da Caixa Econômica Federal e 20 de junho a 03 de julho pela internet, no site da Cespe (www.cespe.unb.br/trfjuiz). A taxa é de R$ 150. As inscrições podem ser feitas em Aracaju (SE), Fortaleza (CE), João Pessoa (PB), Maceió (AL), Natal (RN) e Recife (PE).

A prova objetiva será no dia 24 de julho e a subjetiva nos dias 13 e 14 de agosto. O edital e regulamento serão publicados no Diário da Justiça e nos sites da Justiça Federal do Rio Grande do Norte (www.jfrn.gov.br) e do TRF-5 (www.trf5.gov.br).




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 11 de junho de 2005, 10h26

Comentários de leitores

2 comentários

É impensável acreditar que alguém em sã consciê...

Ricardo Amorim (Advogado Sócio de Escritório - Consumidor)

É impensável acreditar que alguém em sã consciência teria uma opinião tão ridícula e infantil como a sua paulo. Da mesma forma que não se precisa de juiz, não se precisa de médico: basta se criar um manual de procedimentos (ex.: espirrou 3 vezes, toma tal remédio; espirrou 5, toma aquele outro). E a vida é igual pra todo mundo!!

Confesso que fiquei bem preocupado com o coment...

Marcos (Outro)

Confesso que fiquei bem preocupado com o comentário do colega Paulo, deveras, preferir sumula vinculante e carimbadores de ações repetitivas ao invés de juízes da duas uma: a) ou o colega não compreendeu até hoje a importância da magistratura individual e democratica onde cada juiz se vincula a sua consciencia, constituição e leis para a justiça do caso concreto; ou, b) por culpa nossa - integrantes do poder judiciário - estamos deixando a abstração das leis imperar quando de nossos julgamentos, relegando, pois, a justiça concreta para segundo plano. Quer seja por um lado ou outro,confesso: a preocupação prevalece.

Comentários encerrados em 19/06/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.