Consultor Jurídico

Volta às origens

Fundador do PTB quer quebra de sigilo de Roberto Jefferson

O fundador do PTB — Partido Trabalhista Brasileiro, Bension Coslovsky, quer a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico, do presidente do partido, Roberto Jefferson. Coslovsky entrou com uma representação com o pedido na Câmara Federal, segundo ele, encaminhada diretamente ao presidente da casa, Severino Cavalcante, .

O fundador do PTB alega que “o partido não é balcão de negócios”. Para Coslovsky “o PTB é uma sigla histórica e que está sendo manchada pelo atual presidente do partido”. Coslovsky disse também, que as conquistas do partido como o 13º e a CLT — Consolidação das Leis do Trabalho que estão se perdendo na “sujeira” da atual gestão.

Um dos fundadores do PTB em 1961, com Ivete Vargas, Coslovsky foi o primeiro presidente do partido em São Paulo.

Leia a íntegra da representação

Exmo. Senhor Deputado Federal Severino Cavalcanti

DD. Presidente da Câmara Federal

Praça dos Três Poderes.

Brasília - DF

BENSION COSLOVSKY, brasileiro, casado, advogado e jornalista, inscrito na OAB/SP sob o n. 14 965, e eleitor em São Paulo, Capital, inscrito sob o nº 37216201-16, 003ª Zona Eleitoral, 0077ª secção, fundador do Partido Trabalhista Brasileiro — PTB, e primeiro presidente municipal distrital da agremiação política, e ex-membro do Diretório Regional do Estado de São Paulo, quer propor, como proposto tem, uma REPRESENTAÇÃO contra o deputado federal ROBERTO JEFFERSON, atual presidente do PTB, baseando o pedido no artigo 37 da Carta Magna, e no Regimento Interno da Câmara Federal, e nas seguintes razões:

ANTECEDENTES

1.- O requerente orgulha-se de ter sido um dos fundadores do novo Partido Trabalhista Brasileiro-PTB, nos idos de 1981/82.

2.- Sob o comando da inesquecível deputada federal IVETTE VARGAS, o requerente afastou-se por um certo tempo de suas atividades para visitar bairros e cidades em busca de adesões visando a legitimação do PTB, então com registro provisório.

3.- Obteve mais de dez mil filiações partidárias.

4.- O requerente, na data, tornou-se o principal advogado do então candidato, ex-presidente Jânio Quadros, à prefeitura de São Paulo.

5.- Posteriormente, coordenou a filiação ao partido do empresário Antonio Ermírio de Morais, lançado candidato à Governador de São Paulo pelo Partido Trabalhista Brasileiro.

6.- Viajou inúmeras vezes em companhia da então presidente nacional do partido, a combativa deputada federal Ivette Vargas; recebeu da então presidenta Nacional do PTB um livro, “Porque Fui Cassada”, com uma dedicatória carinhosa.

7.- E agora, com o desaparecimento da lider Ivette Vargas, o partido que ajudou a fundar está chafurdado na lama de uma profunda corrupção, com a participação ostensiva de dirigentes partidários.

8.- A revista VEJA vem publicando várias reportagens denunciando o pagamento de propinas em favor do atual presidente do PTB, deputado federal Roberto Jefferson.

9.- A revista VEJA, na edição nº1907, que começou a circular no dia 04 de junho de 2005, publica trechos de uma conversa entre o então diretor do IRB — Instituto de Resseguros do Brasil, Lídio Duarte, denunciando a exigência feita pelo presidente do partido, Roberto Jefferson, do pagamento mensal da quantia de R$ 400.000,00 (quatrocentos mil reais).

10.- A fita com a gravação da conversa acha-se em mãos do jornalista POLICARPO JUNIOR, da revista VEJA.

11.- É bem de ver se trata de denuncia de fatos extremamente graves, e que comprometem a imagem de uma agremiação política que nasceu sob o signo do trabalhismo e da defesa dos interesses nacionais.

12.- É provável, até, que outros dirigentes de estatais indicados por deputados do PTB sejam obrigados, por igual, a contribuir com uma mesada em beneficio do Partido Trabalhista Brasileiro, ou em proveito pessoal de deputados.

13.- Se as mesadas foram em beneficio do PTB, como alega o deputado Jefferson, deverá este autorizar a quebra do sigilo bancário não só da agremiação política como também de todos os deputados federais, e do próprio presidente da agremiação, e de seu genro e sócio, senhor Marcus Vinícius.

A PROVA

14.- O jornalista POLICARPO JUNIOR, da VEJA, gravou a conversa com o LIDIO DUARTE, ex-presidente do Instituto de Resseguros do Brasil.

15.- “É ASSIM, A HISTÓRIA É A SEGUINTE: DIZEM QUE O PARTIDO TEM QUE TER OS LANCES COM OS DIRETÓRIOS, COM AS FESTAS, COM OS JANTARES, COM NÃO SEI O QUÊ, CADA INDICADO TEM QUE BOTAR LÁ R$ 400 MIL POR MÊS”, declara LÍDIO DUARTE.

POLICARPO JUNIOR:

16.- “ISSO FOI O HENRIQUE (CORRETOR DE SEGUROS HENRIQUE BRANDÃO) QUE FALOU?”

17.- DUARTE: “NÃO SÓ ELE, MAS O PRÓPRIO CHEFE DELE”.

18.- PERGUNTA DO JORNALISTA POLICARPO: “DIRETO ASSIM, É ?”.

19.- “DIRETAMENTE, É. MAS FALOU ASSIM, NA BOA, NÉ: O PARTIDO PRECISA PRA RESOLVER SEUS PROBLEMAS DE ALUGUEL, DE ESPAÇO, DISSO, DAQUILO”, respondeu LIDIO DUARTE.

A FITA

20.- Requer, desde já, em LIMINAR, seja requisitada a fita que se acha sob a guarda da revista VEJA

21.- Promovendo-se, com urgência, a prova pericial na UNICAMP, de Campinas, Estado de São Paulo, que possui condições operacionais para a elaboração do laudo.

PROVIDENCIAS DA CORREGEDORIA DA CÂMARA FEDERAL

22.- Requer, por outro lado, seja esta representação encaminhada ainda hoje ao Deputado Corregedor da Câmara Federal.

23.- O douto Deputado Corregedor deverá adotar as medidas iniciais urgentes.

24.- Em face da extrema gravidade dos fatos requer seja quebrado o sigilo bancário, fiscal e telefônico do deputado ROBERTO JEFFERSON.

25.- Medida essa que deverá ser aprovada pelo Plenário da Câmara Federal em regime de urgência.

DA AMPLA DEFESA

26.-O representado poderá valer-se desta representação para esclarecer, com pormenores, o que aconteceu.

27.-E limpar a sua imagem e do Partido Trabalhista Brasileiro, do qual é o presidente.

DAS PROVAS

28.- Alvitra a oitiva do jornalista POLICARPO JUNIOR bem como do senhor Henrique Brandão mencionado nas reportagens.

Termos em que,

Pede deferimento.

De São Paulo para Brasília, 06 de junho de 2005.

BENSION COSLOVSKY

Fundador do PTB e primeiro Presidente do Diretório Distrital Bom Retiro de São Paulo.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 8 de junho de 2005, 19h44

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 16/06/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.