Consultor Jurídico

Passo a passo

STJ só analisa recurso se caso é esgotado em segunda instância

Se o julgamento não estiver esgotado na segunda instância, não é possível apresentar recurso ao Superior Tribunal de Justiça. O entendimento é do ministro Antônio de Pádua Ribeiro, presidente em exercício no tribunal. Ele negou liminar à Agência Nacional de Petróleo, que pretendia sustar decisão sobre pagamento de royalties de petróleo ao município pernambucano de Vitória de Santo Antão.

Segundo o ministro só caberia recurso ao STJ se o caso tivesse sido concluído no Tribunal Regional Federal da 5ª Região, o que não aconteceu.

“A pretensão esbarra no óbice de ter sido promovido o pedido de suspensão quando ainda não inaugurada a competência desta Corte para o caso, em razão do não-exaurimento de instância, exigido pela Lei 8.437/92, art. 4º, § 5º (acrescido pela MP nº 2.180-35/2001)”, disse o ministro.

Segundo Pádua Ribeiro, o tribunal competente para analisar o recurso é o TRF da 5ª Região. “Após seu julgamento pelo colegiado, seria admissível, em tese, o ajuizamento aqui do pedido de suspensão”, esclareceu o ministro.

Briga pelos royalties

O município de Vitória de Santo Antão recorreu à Justiça para ser incluído na lista de cidades que recebem royalties de petróleo e gás natural. Os advogados alegaram que dutos da Petrobras passam em seu território, razão para reclamar o benefício financeiro.

O pedido foi rejeitado pela primeira instância. Interposto recurso ao TRF da 5ª região, o pedido foi negado pelo relator do processo. Porém, houve pedido de reconsideração da decisão, que foi acolhido.

Para obter a suspensão dessa liminar, a ANP recorreu ao STJ alegando que, se mantida a decisão, haverá “risco de grave lesão à economia pública”. A agência reguladora sustentou ainda que o município não tem direito ao recebimento dos royalties e que “jamais recebeu valores a esse título”.

No entanto, neste ano, os advogados da prefeitura municipal entraram ação para ter direito ao benefício. A Procuradoria da ANP informou também que a inclusão de Vitória de Santo Antão prejudicará outras cidades que têm direito aos royalties. Isso porque o aumento do número de municípios levará à diminuição dos recursos repassados.

Sem entrar no mérito da questão, o ministro Pádua Ribeiro disse que o pedido deveria ter sido ajuizado junto ao presidente do Tribunal “ao qual couber o conhecimento do respectivo recurso”, ou seja, ao TRF da 5ª Região.

Pádua Ribeiro disse ainda que não cabe ao STJ apreciar recurso contra “decisão de Desembargador Relator, sendo mesmo inadmissível a interposição de Recurso Especial contra decisão singular. É, portanto, exigível o prévio exaurimento de instância para que se possa ter acesso à excepcional medida de contra-cautela”.

Leia a íntegra da decisão

SUSPENSÃO DE LIMINAR E DE SENTENÇA Nº 223 - PE (2005/0215275-6)

REQUERENTE: AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO – ANP

PROCURADOR: MARCOS SOARES RAMOS E OUTROS

REQUERIDO: DESEMBARGADOR FEDERAL RELATOR DO AGRAVO DE INSTRUMENTO NR 200505000196265 DO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5A REGIÃO

INTERES.: MUNICÍPIO DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO

ADVOGADO: ANTÔNIO RICARDO ACCIOLY CAMPOS E OUTROS

DECISÃO

Vistos, etc.

Buscando receber royalties em razão da existência de dutos situados em seu território, pelos quais transitam petróleo e gás natural, o Município de Vitória de Santo Antão/PE ajuizou Ação Cautelar Inominada, convertida em Ação Ordinária pelo Juízo de 1ª grau, que indeferiu a liminar sob o fundamento de ausente a prova inequívoca da verossimilhança das alegações.

Agravou de instrumento o Município, pedindo a concessão do efeito suspensivo ativo, com o deferimento da antecipação da tutela. Inicialmente negado pelo Desembargador Relator no TRF 5ª/Região (fls. 30/32), acabou sendo reconsiderada a decisão com atribuição do efeito suspensivo ativo ao Agravo (fls. 17/28).

A Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis – ANP requer a suspensão dessa liminar, com fundamento na Lei nº 8.437/92, art. 4º, por alegado risco de grave lesão à economia pública.

Sustenta, em resumo, que o Município não tem direito ao recebimento dos royalties, e jamais recebeu valores a esse título, só vindo a ajuizar a ação em 2005, evidenciando ausente o periculum in mora a favor do Município. Diversos outros Municípios que têm direito ao seu recebimento serão prejudicados, considerando a redução dos valores que recebem mensalmente, com a "indevida inclusão do Município de Vitória de Santo Antão" (fl. 4). Está-se, afirma, permitindo a concessão de uma vantagem com base em improvável direito, ainda objeto de discussão judicial.

Decido

A pretensão esbarra no óbice de ter sido promovido o pedido de suspensão, quando ainda não inaugurada a competência desta Corte para o caso, em razão do não exaurimento de instância, exigido pela Lei nº 8.437/92, art. 4º, § 5º (acrescido pela MP nº 2.180-35/2001).

A decisão singular objeto deste pleito suspensivo foi proferida pelo Desembargador Relator do Agravo de Instrumento nº 62.834-PE, em autos de Medida Cautelar, sendo o Tribunal Regional Federal da 5ª/Região competente para apreciar o recurso. Após seu julgamento pelo colegiado, seria admissível, em tese, o ajuizamento aqui do pedido de suspensão.

Isto porque, a par de não noticiada a interposição do Agravo Regimental, a pendência de julgamento do próprio Agravo de Instrumento no Tribunal de origem, significa que não há o necessário esgotamento de instância, apto a viabilizar a apresentação do pedido originário de suspensão perante o Superior Tribunal de Justiça.

Dispõe a Lei nº 8.437/92, art. 4º, caput, que em caso de manifesto interesse público ou flagrante ilegalidade, bem como para evitar grave lesão à ordem, à saúde, à segurança e à economia públicas, é possível o ajuizamento de pedido de suspensão de liminar para o presidente do Tribunal ao qual couber o conhecimento do respectivo recurso. E, não cabe ao STJ apreciar recurso interposto de decisão de Desembargador Relator, sendo mesmo inadmissível a interposição de Recurso Especial contra decisão singular. É, portanto, exigível o prévio exaurimento de instância para que se possa ter acesso à excepcional medida de contra-cautela.

Por sua vez, a Lei nº 8.038/90, que institui normas procedimentais para determinados processos no Superior Tribunal de Justiça e no Supremo Tribunal Federal, art. 25, reforça a exigência de esgotamento de instância para permitir o ajuizamento dos pedidos de suspensão de liminar nessas Cortes. Assim, sob a regência das leis autorizadoras, somente quando exauridas as vias recursais no Tribunal de origem será cabível o pedido originário de suspensão perante o Superior Tribunal.

Há que se observar as Leis nºs 8.437/92 e 8.038/90, que fixam a competência desta Presidência para conhecer do pedido de suspensão apenas de ato judicial de "única ou última instância". A propósito, as decisões da Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça, AgRgSL 63-RS, j. 17.12.04; AgRgSTA 94-BA, DJ 9.2.2005, e do Supremo Tribunal Federal, STA 10-PE, DJ 2.4.2004; SL 25-PR, DJ 18.12.03 e SL 23-CE, DJ 10.12.03.

Assim, tenho por não inaugurada a competência desta Corte para apreciação do pedido de suspensão, e nego seguimento ao pedido de suspensão (RI/STJ 34, XVIII).

Intimem-se.

Publique-se.

Brasília (DF), 28 de dezembro de 2005.

MINISTRO ANTÔNIO DE PÁDUA RIBEIRO

Presidente em exercício

SLS 223




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 30 de dezembro de 2005, 15h40

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 07/01/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.