Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Pegou mal

SBT terá de indenizar família que participou de pegadinha

A emissora de Sílvio Santos foi condenada a indenizar família que afirma ter sido vítima de uma pegadinha do programa Domingo Legal.

Segundo a sentença da 31ª Vara Cível do Fórum Central de São Paulo, o SBT terá de pagar o valor correspondente a um minuto de propaganda no mesmo horário em que o quadro foi exibido, acrescido de correção monetária e juros de mora.

Ficou também decidido que a emissora terá de inutilizar as imagens do casal. O programa está proibido de veicula-las novamente, sob pena de pagar R$ 100 mil por cada exibição.

Imagens editadas

Tudo começou em 1997, quando a atração dominical exibiu um quadro intitulado “Pesquisa de Honestidade”, em que a veterinária Sílvia Parisi Couri e seu marido, o tecnólogo, Abraão Couri, apareciam pegando uma carteira que teria sido perdida na rua e levando-a embora.

Couri conta que eles iam devolver a carteira, mas, antes que pudessem faze-lo, foram chamados pela produção e avisados de que aquilo era uma pegadinha. Eles assinaram documento autorizando a exibição das imagens, que teriam sido “editadas para nos mostrar como pessoas desonestas”. Perícia realizada nas fitas comprova a afirmação do tecnólogo.

Na época, o casal estava com os filhos de 3 e 5 anos. As crianças também foram mostradas pelas câmeras.

Augusto Liberato, o Gugu, alegou ser somente apresentador do programa e foi eximido de culpa. O ato cometido pelo SBT, no entanto, foi julgado como de caráter doloso – houve a intenção de apresentar o casal como pessoas desonestas.

Revista Consultor Jurídico, 26 de março de 2004, 15h05

Comentários de leitores

1 comentário

Infelizmente este não foi um episódio isolado d...

Antonio B.C.Neto ()

Infelizmente este não foi um episódio isolado do referido programa, lembre-se também da falsa entrevista concedida ao repórter do "Domingo Legal" (ou seria ILEGAL) por supostos integrantes do PCC, quando personalidades foram ameaçadas de morte. É a industria do espetáculo que na sua busca incessante por audiência e lucro atropela direito fundamental do cidadão, como direito à privacidade e a presunção de inocência. Manipulam os fatos e criam sua sórdida realidade (foi confirmada a edição da fita) mostrando seu total desprezo pela ética e pela verdade. Ponto para Justiça que terá sua esfera de atuação, bem como sua autonomia e independência, mitigada pela atual reforma do judiciário e talvez não vejamos mais decisões desse quilate. O capital provavelmente vencerá, espero que não, mas com grande parte da mídia e dos “formadores de opinião” ao seu lado, deturpando a verdade (como foi feito no programa dominical em tela), tudo pode acontecer.

Comentários encerrados em 03/04/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.