Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Quarta-feira, 17 de março.

Primeira Leitura: governo está refém dos aliados e pressão continua.

Paralisação

Um clima que lembra o do fim do governo José Sarney se abateu sobre Brasília. Diante da crise aberta pelo caso Waldomiro e dos crescentes questionamentos à política econômica, o governo está paralisado, refém dos aliados, enquanto as pressões continuam. Ontem, prefeitos e governadores acorreram à capital para pedir ao Planalto que libere verbas. No Congresso, as votações estão emperradas.

Marcha

A 7ª Marcha dos Prefeitos a Brasília exigiu participação maior dos municípios na repartição dos recursos da Cide (contribuição sobre os combustíveis) e a redefinição das atribuições de cada um dos entes federativos — os prefeitos reclamam de que hoje têm de oferecer mais serviços, embora contem com as mesmas fontes de arrecadação. De quebra, liderados pelos petistas Marcelo Déda (Aracaju) e Fernando Pimentel (Belo Horizonte), eles devem divulgar um documento pedindo mudanças na política econômica.

Governadores

Já os governadores, tendo à frente Aécio Neves (PSDB-MG), querem mudanças na medida provisória da Cide, que está na pauta da Câmara, de tal forma que o montante de recursos repassados aos Estados seja maior. Por conta disso, a oposição já anunciou a obstrução à matéria, que está bloqueando a pauta da Casa. No Senado, as votações também seguem paradas por causa do impasse provocado pela CPI dos Bingos.

De volta

Diante dos reveses em sua gestão, Lula parece ter encontrado razões para trazer de volta ao governo, depois de um mês e meio de demissão, o ex-ministro José Graziano, cujo Fome Zero foi um símbolo da inoperância administrativa do primeiro ano. Graziano será assessor pessoal de Lula. Agora vai!

Copom 1

Faz dois meses que o Banco Central interrompeu a trajetória de queda da taxa-Selic e alertou, nas duas atas, para o risco de o país não cumprir o centro da meta inflacionária, fixada em 5,5%. O BC está impondo à sociedade uma troca: menos crescimento por “zero vírgula alguma coisa” a menos de inflação. Primeira Leitura considera que essa proposta, endossada publicamente pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, é um equívoco.

Copom 2

A inflação que aí está não coloca em xeque a estabilidade, mesmo que, em vez de ficar no centro da meta, de 5,5%, bata nos 8% permitidos pela margem de flutuação. Além disso, o crescimento que está aí não é capaz de alterar o cenário do mercado de trabalho e da renda.

Copom 3

O BC tem a responsabilidade social e econômica de buscar, ao manejar a taxa de juros, a melhor relação custo-benefício. Há, sim, espaço e necessidade de redução da Selic. Para Primeira Leitura, o corte tem de ser de 1 ponto percentual, embora, obviamente, reconheçamos que dificilmente o Copom fará isso.

Assim falou... Jorge Bornhausen

“O governo esfarinhou. No ano passado, tínhamos um governo forte com gerenciamento fraco. Agora, o governo é fraco, e o gerenciamento continua ruim.”

Do presidente do PFL e senador por Santa Catarina.

Ambigüidades

O presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, e o da Argentina, Néstor Kirchner, fecharam acordo ontem no qual definiram uma postura comum para os dois países nas negociações com o FMI e com outros organismos financeiros internacionais. Na Declaração sobre a Cooperação para o Crescimento Econômico com Eqüidade, os dois líderes defendem que o pagamento das dívidas dos respectivos países não comprometa o crescimento econômico e que os investimentos em infra-estrutura não sejam contabilizados como gastos públicos.

O documento, no entanto, deixa claro, segundo explicou o chanceler brasileiro, Celso Amorim, que o superávit primário é a garantia de sustentabilidade da dívida externa de ambos os países. Ou seja: ao mesmo tempo em que agrada aos argentinos por contemplar a retórica adotada por Kirchner contra o FMI e outros organismos financeiros, o documento serve aos interesses do governo Lula, que, ao assumir o poder, decidiu, unilateralmente, elevar a meta de superávit primário para 4,25% do PIB.

Revista Consultor Jurídico, 17 de março de 2004, 14h29

Comentários de leitores

2 comentários

Assim falou...Zé Genoíno: "O PT não é apêndice ...

Maria Lima (Advogado Autônomo)

Assim falou...Zé Genoíno: "O PT não é apêndice do Palácio do Planalto". Não precisava ter o trabalho. Todos sabemos que o Palácio do Planalto é que apêndice do PT. Maria Lima

Um ente estranho, o Partido dos Trabalhadores;...

Maria Lima (Advogado Autônomo)

Um ente estranho, o Partido dos Trabalhadores; é de todo mundo, menos dos membros do partido, pois aqueles, salvo honrosas e já devidamente extirpadas exceções -, uniram-se à canalha da canalha da política brasileira. De trabalhadores, não têm nada. "Junta-te aos maus, e serás pior do que eles", diz o ditado.Com suas magníficas idéias, de quem, ao tomar posse, já se sentia reeleito, Lula uniu-se a quem, ao seu ver, poderia contrapor-se ao seu governo. Agora, está sozinho, encurralado, cada vez mais fraco. Seus aliados não fizeram senão esperar o momento em que iriam aproveitar-se de tanta gabolice; querem os dividendos do nunca houve; e que, se tivesse havido, também os premiaria: são espertos, experientes, sabem tudo de corrupção. Nada pode ser mais importante que o destino de uma nação. E, com muita tristeza, podemos ver que a única meta alcançada pelo Lula é aquela, que, na teoria do delito, é a última etapa do "iter criminis": a "meta optata" (o crime consumado). Já não há mais risco Brasil; temos é um custo Brasil que assusta, na medida em que seus aliados sempre ganharam com a perene miséria do povo. Agora é que não vai, mesmo. NADA vai reparar o estrago do "fellow" Waldomiro. Maria Lima

Comentários encerrados em 25/03/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.