Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Relevância histórica

Conselho Federal da OAB recebe mensagem do cardeal Evaristo Arns

A primeira sessão do Pleno do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, conduzida nesta segunda-feira (2/2) pelo presidente da OAB, Roberto Busato, foi aberta com uma mensagem do cardeal Paulo Evaristo Arns. A mensagem foi gravada especialmente para a abertura de mais um ano de trabalhos da OAB.

Na mensagem, o cardeal fala da importância histórica que a entidade teve no período da Ditadura Militar e conta um pouco da contribuição dada pela OAB ao Brasil, em um momento em que "o socorro jurídico era tão difícil".

Paulo Evaristo Arns foi arcebispo de São Paulo de 1970 e 1998 e no ano de 1972 fundou a Comissão Justiça e Paz de São Paulo, entidade dedicada à defesa dos direitos humanos. O cardeal é ainda o responsável pelo projeto "Brasil: Nunca Mais", que contém as informações obtidas nos arquivos militares oficiais sobre o uso institucionalizado da tortura durante o regime militar. (OAB)

Veja a íntegra da mensagem do cardeal Paulo Evaristo Arns

"No momento mais sombrio da Ditadura Militar, a nossa confiança na Ordem dos Advogados do Brasil cresceu de tal maneira que nós não fazíamos nada sem nos comunicar antes com a OAB. Isso acontecia porque a OAB sabia como agir e agir dentro da lei que foi elaborada pelo regime militar. Naquele tempo, nós sempre apelávamos para a OAB para termos uma retaguarda que nos permitisse ver uma luz no fim do túnel, quer dizer, uma possibilidade de agir com retidão para o futuro do Brasil, sem derramamento de sangue.

Este foi um período longo e muito pesado para todos nós. Acredito que a OAB exerceu o seu papel de uma maneira não só eficiente, mas até brilhante, porque sem a OAB nós não teríamos chegado a uma solução sem derramamento de sangue neste nosso Brasil. Por isso a nossa gratidão a OAB, que nos ajudou em todas as circunstâncias, particularmente naquelas em que o socorro jurídico era tão difícil.

Gostaríamos de desejar à OAB que ela continue nesta luta e que faça de sua missão uma missão constante em favor da liberdade e da verdade no Brasil. A OAB merece a nossa gratidão por todo o trabalho feito com tanta intensidade e com tanta solicitação por parte de todas as pessoas que estavam afastadas. Eu gostaria de dizer que nunca tivemos qualquer dificuldade em relação a OAB, pelo contrário, sempre contamos com ela e queremos continuar contando para o futuro".

Revista Consultor Jurídico, 2 de fevereiro de 2004, 20h18

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 10/02/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.