Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Sem privilégio

STJ muda entendimento sobre prazo para recurso do MP

O prazo de interposição de recurso pelo Ministério Público começa a contar da entrada do processo do protocolo da procuradoria e não da intimação pessoal do representante do órgão. O entendimento é da Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça.

Em decisão unânime, a Corte acolheu o voto do ministro Carlos Alberto Menezes Direito e modificou a jurisprudência sobre o tema.

A jurisprudência do STJ entendia que a intimação do Ministério Público deveria ser pessoal, contando-se o prazo para interposição do recurso ministerial da data de aposição do ciente pelo representante do órgão público, e não da data de ingresso dos autos na Procuradoria de Justiça.

Mas, com base em voto do ministro Marco Aurélio, recentemente o Supremo Tribunal Federal, pelo seu Tribunal Pleno, pacificou a questão. Definiu que o prazo recursal se inicia para o Ministério Público na data do ingresso dos autos na procuradoria.

No julgamento do Supremo, o ministro Marco Aurélio afirmou que essa prerrogativa de contagem do prazo diferenciado para o Ministério Público mostra-se um privilégio descabido. Para ele, é um privilégio odioso e fere a igualdade entre as partes, que deve ser a tônica do tratamento justo, sem subterfúgios, sem subjetividades acomodadoras, sem "jeitinhos" que acabem por agredir a sempre necessária isonomia.

O ministro Gilson Dipp lembrou que já há recente decisão unânime da Terceira Seção e da Quinta Turma, da relatoria do ministro Felix Fischer, adequando a jurisprudência do STJ à nova posição definida pelo Supremo Tribunal Federal. Só que agora, neste processo, foi o órgão máximo de julgamentos do Tribunal, a Corte Especial, que definiu a questão. Assim, criou-se jurisprudência definitiva.

Processo nº 2004/0020157-5

Revista Consultor Jurídico, 9 de agosto de 2004, 17h44

Comentários de leitores

1 comentário

Limírio Urias Gomes - Advogado, Professor, ex-V...

Limírio Urias Gomes (Advogado Autônomo)

Limírio Urias Gomes - Advogado, Professor, ex-Vereador em São José do Rio Preto SP - Presidente Executivo da ALADECCON - Assoc. Latino-americana de Defesa do Consumidor, do Contribuinte Quem atua na área do Direito, sabe com certeza que todo privilégio e odioso, eis que desiguala os iguais. Com efeito, tudo o que é igual para todos é em princípio justo e social. O privilégio que agora é excluído dos srs. Promotores Públicos, é uma ação justa e consentânea com os princípios mais básicos de justiça e de direito. Todos devem ser igual perante a lei e os poderes constituídos. É um princípio de sociedade e de cidadania. Todos os dias, em todos os momentos, direitos dos mais pobres, humildes e por isso mesmo mais carentes em todos os sentidos, são desrespeitados e vilipendiados pelos poderosos, em especial pela casta da borocracia da república. Cabe especialmente a nós, advogados sermos a última trincheira em defesa dos direitos comuns a todos. Limírio Urias Gomes E-mail limiriogomes@ig.com.br 17 9728.7427

Comentários encerrados em 17/08/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.