Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Pedido negado

Ministro do STJ nega pedido de militares do Rio Grande do Norte

O ministro Sálvio de Figueiredo Teixeira, do Superior Tribunal de Justiça, rejeitou pedido de liminar e negou seguimento à medida cautelar proposta por 15 militares temporários contra decisão favorável à União. A defesa dos militares pretendia suspender o licenciamento imposto e garantir a permanência deles na Base Aérea de Natal e no Centro de Lançamento Barreira do Inferno, ambos no Estado do Rio Grande do Norte.

Segundo decisão anterior, da 6ª Turma do STJ, o chamado licenciamento de ofício não viola os direitos dos militares temporários. A defesa entrou com pedido de recurso extraordinário no Supremo Tribunal Federal, mas não obteve sucesso.

Para o STF, a 6ª Turma limitou-se à apreciação da questão referente ao ato de reengajamento ser puramente discricionário da Administração. Dessa forma, não há direito adquirido de o militar continuar na ativa. Os ministros consideraram o ato de licenciamento lícito, mesmo que falte pouco tempo para o militar atingir os 10 anos e alcançar a estabilidade.

No pedido encaminhado ao ministro Sálvio de Figueiredo, a defesa alegou que a ameaça de licenciamento do serviço militar representa dano de difícil reparação. Por meio da liminar, pretendiam suspender qualquer ato de licenciamento do Serviço Ativo da Força Aérea Brasileira e permanecer onde se encontram – na Base Aérea de Natal e no Centro de Lançamento Barreira do Inferno – até decisão final do caso no STJ e no STF.

O ministro Sálvio de Figueiredo rejeitou o pedido. Segundo ele, a pretensão da defesa não é plausível porque os dispositivos constitucionais, apontados como violados, não foram discutidos. A decisão do ministro também foi baseada no artigo 34, inciso XVIII, do Regimento Interno do STJ. (STJ)

MC 8.082

Revista Consultor Jurídico, 13 de abril de 2004, 9h16

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 21/04/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.