Consultor Jurídico

Banho de ética

Goffredo investe contra atuais noções do direito

A Rádio USP, pertencente à Universidade de São Paulo, conseguiu a proeza de emocionar o mais homenageado dos advogados brasileiros. O jornalista Milton Parron, criador e apresentador do programa "Memória", surpreendeu Goffredo da Silva Telles Jr. com a gravação do concurso em que o velho advogado, em 12 de junho de 1954, defende a tese que o levou à cátedra de Direito Constitucional da faculdade do Largo de São Francisco.

Depois de ouvir a gravação inédita da memorável exposição sobre "A criação do Direito", Goffredo, que lecionou na mesma escola durante 45 anos, investiu contra idéias estabelecidas com todo o vigor.

O primeiro conceito a ser criticado foi o de que, no Brasil, as condenações judiciais estão reservadas a pobres, pretos e prostitutas.

"Considero equivocada e injusta essa visão", afirmou o advogado. "Embora as circunstâncias possam passar essa impressão, a verdade não essa". Examinada a realidade, argumentou, o que se constata é que "as pessoas mal defendidas cumprem as maiores penas" e ter uma defesa fraca pode acontecer a qualquer um, o que retira o caráter absoluto do raciocínio.

Goffredo discordou também da regra não escrita, mas abraçada amplamente por muitos: a de que ao advogado é permitido mentir para atender à tarefa de absolver seu cliente. "Jamais neguei o crime cometido por um representado meu" - e insistiu - "o advogado não deve mentir. Nunca."

Sua estratégia, explicou, sempre foi a de buscar a identificação entre juizes, jurados e o acusado. "Ninguém é criminoso à toa. Sempre há um motivo para os atos cometidos por alguém". Seu objetivo era fazer com que o julgador se visse no lugar do acusado. Goffredo, conta ele, narrava a vida de seu cliente com toda a sinceridade. E tornou-se conhecido como um advogado que não enganava.

A ordem jurídica, concluiu ele do alto de sua experiência, "fundamenta-se no amor ao próximo". O cultivo de anti-valores, como a deslealdade e o egoísmo degrada o tecido social, desestabiliza os relacionamentos e engole a todos no mesmo torvelinho.

Na entrevista a Milton Parron, o advogado mostrou sua tristeza com as notícias em torno dos atos de prevaricação de juizes. "Já vivemos outras crises de ética e de moral. Mas esta é a mais grave", afirmou. Embora admitindo que essa crise não se restringe ao Judiciário, Goffredo afirmou que, no caso dos juizes, ela passa longe a fronteira do inadmissível. O que mostra a necessidade urgente de remodelar o Judiciário no país.

"A sociedade remodelou-se, tornou-se muito mais complexa. A árvore jurídica deitou novos ramos, mas o Judiciário não acompanhou essa evolução", analisa ele. O "banho de ética" que o Brasil precisa, contudo, precisaria atingir os demais poderes da República que, segundo Goffredo, "estão todos doentes".




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 24 de outubro de 1999, 0h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 01/11/1999.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.