Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Energia catarinense

Fornecimento de energia catarinense no STF

A Assembléia Legislativa de Santa Catarina encaminhou ao Supremo Tribunal Federal a Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin 1831), com pedido de liminar, contra o artigo 10º da Lei de Conversão n.º 5/98.

Segundo a argumentação dos deputados catarinenses, o artigo da lei, permitirá que - a partir do ano 2002 - recebam energia apenas os usuários que tenham consumo economicamente viável para a empresa distribuidora. O artigo pode penalizar o consumidor que não atinge determinada faixa de consumo.

A redação do artigo 10º estabelece que, a partir do ano 2002, as empresas concessionárias de serviço público de energia elétrica não terão mais a obrigatoriedade de fornecer seu produto a consumidores cativos. As empresas, estariam, portando, liberadas da venda obrigatória.

De acordo com deputados estaduais, a atitude do Governo Federal eqüivale "à alteração da natureza jurídica desse serviço". Os parlamentares argumentam: "deixa de ser um serviço público e passa a ser um serviço meramente privado".

Essa medida contraria a Constituição da República (artigo 21, inciso XII, letra "b") que define a geração, transmissão e distribuição de energia elétrica como serviços públicos, que podem ser desenvolvidos por particulares mediante concessão, autorização ou permissão do Poder Público.

Revista Consultor Jurídico, 19 de maio de 1998, 0h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 27/05/1998.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.