Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Apoiado por Chalita

Ex-presidente do TJ-SP, Nalini é o novo secretário de Educação do estado

O desembargador José Renato Nalini, ex-presidente do Tribunal de Justiça de São Paulo, será o novo secretário de Educação do estado. O nome foi anunciado nesta sexta-feira (22/1) pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB), durante cerimônia de entrega de casas do programa CDHU. Nalini é mestre e doutor em Direito Constitucional pela Faculdade de Direito da USP.

Paralelamente à sua trajetória no Poder Judiciário, Nalini manteve ao longo da vida uma carreira como professor. Ainda aluno de Direito na PUC-Campinas, passou em 1969 a dar aulas de Sociologia em aperfeiçoamento para professores no Instituto de Educação Experimental Jundiaí (atual E.E. Bispo Dom Gabriel Paulino Bueno Couto). Após se formar, em 1970, começou a lecionar no ensino superior. Deu aulas na Escola de Educação Física de Jundiaí, na Faculdade de Engenharia de Barretos e nas faculdade de Direito de PUC-Campinas, USP, Padre Anchieta, Faap e Uninove.

“O professor Nalini tem espírito público e é extremamente interessado nas questões da educação. É um homem do diálogo, da cultura, da Academia Paulista de Letras. Temos absoluta confiança de que vamos dar um grande passo para melhorar ainda mais a qualidade da escola pública de São Paulo em benefício dos nossos alunos”, afirmou Alckmin.

O nome de Nalini foi muito apoiado por Gabriel Chalita, secretário municipal de Educação, que tem bom trânsito tanto com o prefeito Fernando Haddad (PT) quanto com o governador Geraldo Alckmin. Chalita já ocupou o cargo que agora será do ex-presidente do TJ-SP.

Saída conturbada
O último secretário de Educação do estado de São Paulo, Herman Voorwald, deixou o cargo após o governo ter que recuar do que chamava de plano de reorganização dos ciclos escolares, que previa o fechamento de escolas. Com muitos centros de ensinos ocupados pelos alunos e o aumento da pressão pública, Alckmin revogou o plano, e Voorwald pediu demissão. 

Revista Consultor Jurídico, 22 de janeiro de 2016, 13h20

Comentários de leitores

8 comentários

Competentíssimo

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Lembro-me de uma das suas últimas entrevistas, agora no final de 2.015. Disse ele, a respeito da Lava a Jato: "Aqueles que buscam a prisão a qquer. custo devem lembrar-se de que, amanhã, poderão ser os seus filhos, sobrinhos ou eles mesmos os presos." -SIC- (!!!). Isso é o que eu chamo de "Reserva de Tolerância" a ser utilizada em causa própria e no futuro. Um ótimo critério e um bom começo na SECRETARIA DA EDUCAÇÃO que deve ser divulgado entre as crianças que povoarão o futuro da Nação. Eu já passei a mensagem a meu sobrinho de 12 anos. Tentei também com o meu filho, de 21 anos e ele ficou chocado; não acreditou e disse que eu o estava "zoando". Esses jovens...!

É dando que se recebe

Marcos Alves Pintar (Advogado Autônomo - Previdenciária)

... isso posto, nada justifica no contexto constitucional atual a ocupação de escolas, ou mesmo a oposição à modernização do sistema de ensino pelo Estado. E, assim, blá-blá-blá ... oficie-se ao Ministério Público para adoção das medidas criminais em face ao esbulho cometido em face ao Estado, blá-blá...

... assim, nego seguimento ao recurso, mantendo na totalidade a respeitável sentença que condenou os invasores a desocuparem em definitivo as escolas ocupadas, e a não mais se oporem ao plano de modernização levado adiante pelo Poder Público...

... nego seguimento ao recurso especial. Intimem-se.

... nesse caso se aplica a súmula 07 por analogia, sendo assim inadmissível o presente agravo em recurso especial.

Tiro certeiro!!!!!!!!!!

Eduardo.Oliveira (Advogado Autônomo)

Quero ver, agora, manterem escolas ocupadas em conluio com o sindicato...
E se ocuparem a escola e o chefe do Nalini dizer que quer a escola livre?????

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 30/01/2016.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.