Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Pobreza provada

Contratar advogado particular não impede concessão de gratuidade

A contratação de advogado não impede a concessão de gratuidade na Justiça. Foi o que concluiu a 6ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho ao julgar o processo de um carpinteiro contra a Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro (Cedae). De acordo com o colegiado, o único requisito para a concessão do benefício é a apresentação de uma declaração de pobreza — o que foi feito pelo trabalhador.

A gratuidade fora autorizada pela primeira instância, mas a Cedae recorreu ao Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (RJ), que reformou a sentença. Para a corte, se o trabalhador tem recursos para pagar os honorários de um advogado particular, “também pode dispor da quantia necessária ao pagamento das custas judiciais”.

Na avaliação do TRT-1, a lei faculta aos julgadores conceder ou não o benefício àqueles que recebem salário igual ou inferior ao dobro do salário mínimo ou que declaram que não têm condições de pagar as custas do processo.

Inconformado, o marceneiro recorreu ao TST. De acordo com o ministro Augusto César Leite de Carvalho, que relatou o caso, o entendimento de que a concessão do benefício está condicionado apenas à declaração de pobreza já foi pacificada pelo TST, conforme demonstra a Orientação Jurisprudencial 304 da Subseção 1 Especializada em Dissídios Individuais.

Após constatar que o trabalhador declarou do próprio punho ser financeiramente hipossuficiente, o ministro votou pela concessão do benefício. "Uma vez apresentada a declaração de pobreza, a consequência é o deferimento da gratuidade de Justiça, pois se trata do único requisito imposto pela lei para tanto", afirmou. A decisão foi unânime. Com informações da assessoria de imprensa do TST.

RR-70400-49.2008.5.01.0020

Revista Consultor Jurídico, 22 de maio de 2015, 16h16

Comentários de leitores

5 comentários

Eu me rendo

Leandro Melo (Advogado Autônomo)

Esses dias fui obrigado a ler isso:"Nesta Especializada, diante do que preceitua a Lei 5584/70, a justiça gratuita de que trata a Lei 1060/50 deve ser prestada pelo Sindicato representante da categoria profissional do empregado."
Até agora estou imaginando o sindicato pagando as custas do processo.
A magistrada não sabe nem porque está indeferindo, mas está indeferindo. Pior, a reclamante recebe menos de 2 salários mínimos. É Brasil.

Ops.

DPF Falcão - apos (Delegado de Polícia Federal)

Postagem errada.

Sempre haverá uma saída

DPF Falcão - apos (Delegado de Polícia Federal)

Recomendação da Câmara Criminal do MPF, item 3.1:
"no curso do procedimento investigatório poderá ser requisitada à Polícia diligência investigatória específica (art. 7o, II, 1a parte, da LC-75/93). Se, no curso do procedimento investigatório, concluir-se pela IMPRESCINDIBILIDADE DE INQUÉRITO POLICIAL, a requisição do inquérito deverá ser acompanhada dos autos do procedimento investigatório".

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 30/05/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.