Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Criação de cargos

Ação popular questiona aprovação de lei em SP por vício de tramitação

Uma ação popular ajuizada na Justiça de São Paulo, nessa terça-feira (14/7), pede a imediata suspensão com a concessão de liminar dos efeitos do projeto de lei aprovado pela Câmara Municipal paulistana que cria 660 novos cargos de assessores para os 55 vereadores.

A ação, proposta por Fabio Lepique, presidente do Diretório do PSDB da Mooca, e elaborada pelo escritório Castello de Campos Sociedade de Advogados, aponta diversos vícios que cercaram a apresentação, tramitação e aprovação do projeto de lei.  O juiz Anderson Suzuki, da 11ª Vara de Fazenda Pública, determinou que fosse dado vista ao Ministério Público de Ações Populares, com urgência.

Para os autores da ação, o projeto comete também grave atentado ao preceito constitucional de que a ocupação de cargos públicos deve ser feita a partir de concursos. Hoje, a Câmara tem 441 funcionários concursados, 225 no regime da Consolidação das Leis do Trabalho e 1.045 cargos comissionados, ocupados por indicação livre da chefia imediata, o que pode gerar situações de favorecimento. Com a aprovação dos novos cargos, a relação entre comissionados e concursados ficará de 1.705 contra 441, ampliando ainda mais o absurdo.

Por isso, a ação popular faz pedido para que o Ministério Público instaure investigação sobre a legalidade de todo o quadro funcional atual da Câmara Municipal. O MP já se manifestou e pediu a extração de cópias dos autos e "remessa à Promotoria de Justiça do Patrimônio Público da Capital para as providências que entender necessárias".

Ação relata que a criação dos 660 cargos foi tratada com uma rapidez sem precedentes. Apresentada às 15h11 do dia 23 de junho, recebeu todas as tramitações, aprovações, pareceres e substitutivo até a sua aprovação final, em segunda votação, no dia 30 de junho. Nesse período, passou em tempo recorde pelas “análises” das Comissões de Constituição, Justiça e Legislação Participativa e de Administração Pública, e de Finanças e Orçamento. A lei foi sancionada e publicada no Diário Oficial de 9 de julho.

É alegado também na ação que as informações sobre a tramitação e aprovação do projeto de lei não foram colocadas à disposição para consulta no site da Câmara, como era regra da casa até a aprovação da medida.

Clique aqui para ler a petição.

Revista Consultor Jurídico, 19 de julho de 2015, 18h09

Comentários de leitores

1 comentário

Olhem o exemplo do parana, na midia

wgealh (Advogado Autônomo - Ambiental)

É hora de passarmos o Brasil a limpo! parafraseando Boris Kasoy.
Cabe a todos e cada um (INCLUSIVE E PRINCIPALMENTE O JUDICIÁRIO) empreendermos TODO ESFORÇO POSSIVEL para desmarcarmos toda forma de corrupção E UMA DAS MAIS VERGONHOSAS É O FAMIGERADO 'CARGO DE CONFIANÇA'. Será que não tem funcionário publico capacitado para assessorar um mero vereador?
Passou da hora de PROFISSIONALIZARMOS E CAPACITARMOS O FUNCIONALISMO DAS CAMARAS DE TODO O BRASIL, é impossivel jogar o dinheiro público em pagamentos de INDIVIDUOS ABSOLUTAMENTE DESPREPARADOS PARA A FUNÇÃO PUBLICA, sinonimo de "FUNCIONÁRIO FANTASMA".
Ministério Público (valoroso bastião da moralidade, aliado dos Magistrados) aceitem antecipadamente os agradecimentos pelo trabalho que SERÁ EXEMPLO PARA TODO O BRASIL: "FORA, PELA EXTINÇÃO, PELO BANIMENTO DE TODO "CARGO EM COM-E-SSÃO"; se for necessário, convidem pessoas, técnicos, advogados, seja lá o que for, para assessorarem em um assu.

Comentários encerrados em 27/07/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.