Consultor Jurídico

Direito na Europa

Por Aline Pinheiro

Blogs

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Direito de criticar

Juiz pode reclamar de roupa de advogado, diz comissão disciplinar inglesa

Há cerca de um ano, o juiz David Wynn Morgan ficou conhecido na Inglaterra por criticar a roupa de um advogado na frente do júri e de jornalistas. Para Morgan, o cabelo comprido e a beca cheia de medalhas e broches faziam o advogado Alan Blacker parecer um personagem dos filmes Harry Potter. O juiz chegou a dizer que, se na próxima audiência Blacker não se vestisse apropriadamente, se recusaria a ouvi-lo.

O caso virou polêmica e foi parar na comissão disciplinar da Magistratura inglesa. A decisão do procedimento administrativo saiu nessa quinta-feira (2/7). Para o grupo, o juiz nada mais fez do que exercer o seu direito de criticar a maneira como um advogado se veste perante a corte.

Em um comunicado divulgado para a imprensa, a comissão explicou que David Morgan recebeu um manual sobre como agir caso a situação se repita, mas deixou claro que não houve qualquer reprimenda à conduta do magistrado.

Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 3 de julho de 2015, 11h00

Comentários de leitores

2 comentários

Dna do advogado

Fernando José Gonçalves (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

O terno surrado do advogado é peça tão importante quanto o seu DNA. Através dele muita coisa se extrai do seu detentor.Por exemplo, dá para saber o que o advogado comeu naquele dia -as vezes até na última semana- ;se o ferro de passar da consorte precisa ser trocado; se veio até o Fórum de "busão" ou de carro; se é novo ou já sabe o caminho do escritório sozinho. Esse vestuário, que incorpora a indumentária do causídico, é uma peça mágica, reveladora de muitos segredos. Quanto ao aroma, é um misto de perfume caro com fumaça de óleo diesel e desinfetante sanitário; tem os vincos particulares e próprios (nem sempre coincidentes com aqueles originais); a cor também diz muito sobre o seu dono. Em alguns locais ele é charmosamente desbotado. A textura não é uniforme. Puído em certos cantos (normalmente na região glútea e escrotal) denota a inesgotável paciência do dono, sentado a espera das audiências.Pouco acima da cintura, quase sempre estampa uma linha horizontal mais escura,característica dos balcões sujos dos cartórios contra os quais é pressionado todos os dias.Nas mangas, a costura cerzida informa o volume de processos levados em carga e trazidos dela num ciclo repetitivo e infindável. A calça, via de regra curta ou longa demais, sinaliza as alterações físicas por que tem passado o seu ocupante ao longo da lida.Se está apertada, é sinal de obesidade causada por refeições rápidas e impróprias a base de lanches nas cantinas dos Pretórios. Se larga em demasia,certamente foi comprada antes ou depois do paletó, no brechó do bairro ou numa liquidação (sem direito a ajustes). A forma da lapela é o "logotipo" da época da compra, quase sempre em tempos idos.Enfim o terno do advogado diz mais sobre a sua vida do que a sua própria biografia n/autorizada.

Se a moda pega...

Eduardo.Oliveira (Advogado Autônomo)

Vai acontecer o seguinte: quem pode ir até Miami para comprar ternos (custeados por verbas provenientes do erário) criará caso com o pobre advogado de fórum-regional- de-fim-de-mundo, porque o causídico veste "terno impróprio": 70% poliéster e 30% algodão...
Em sentença, em ação contra instituição financeira que tramitou por cinco anos, fixará para o "mal vestido", uma verba sucumbencial de R$ 200,00 para evitar enriquecimento sem causa.

Comentários encerrados em 11/07/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.