Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Iniciativa privada

Privatização dos presídios deve ser melhor analisada

Por 

A privatização do sistema carcerário trata-se da interferência da iniciativa privada na execução da pena privativa de liberdade, fazendo às vezes do Estado, que pelo nosso sistema atual é o único detentor da responsabilidade de executar a pena imposta ao condenado.

O processo de privatização dos presídios no Brasil se deu no ano de 1999 a partir da Penitenciária de Guarapuava, no Paraná, sendo adotado um modelo de gerenciamento terceirizado, no qual a iniciativa privada tinha como atribuição se encarregar dos serviços ditos de hotelaria, quais sejam serviços médicos, ambulatoriais, psicológico, prestação de assistência jurídica gratuita.

Defende-se que a implantação possa resultar menores custos para o Estado com a manutenção dos apenados, bem como poderão ser diminuídos os índices de reincidência, eis que o projeto ressocializador - educação e trabalho - implantado nesses presídios terão bons resultados.

É sabido que o sistema carcerário brasileiro tem passado por inúmeros entraves, sendo exemplo mais corriqueiro a superpopulação dos presídios. Assim, em que pese a Constituição e a Lei de Execuções Penais assegurem aos presos o respeito à integridade física e moral, tais garantias não são efetivamente cumpridas (CORDEIRO, 2006, p.50).

É diante dessas situações que surge assim à ideia da privatização, uma vez que para os defensores da proposta a concessão da administração prisional poderá solucionar todos os problemas vivenciados atualmente, bem como reduzirá gastos do Estado com o setor (CORDEIRO, 2006, p.53-55).

Nos Estados Unidos muitas penitenciárias adotam o sistema descrito, sendo que ao particular é permitida a administração das penitenciárias destinadas a reclusos que cumprem já o final da pena, instituições juvenis e prisões para imigrantes ilegais (ARAÚJO, 1995, p.99).

O modelo de gerenciamento dos serviços penitenciários é o adotado em alguns estados do Brasil, sendo que a participação da iniciativa privada funda-se na celebração de um contrato com o Estado para que se administre um presídio, recebendo como contraprestação determinada quantia pelos serviços prestados.

Os serviços prestados pelo particular são os chamados serviços de hotelaria, sendo eles, alimentação, vestuário, lazer, prestação de serviços de assistência social, psicológica e psiquiátrica, serviços médico-odontológicos, fornecimento de trabalho e educação (CORDEIRO, 2006. p.89).

Em 2013, o estado de Minas Gerais, anunciou um estabelecimento prisional fruto de uma parceria público-privada (PPP) entre o Governo e a Gestores Prisionais Associados (GPA). As empresas associadas ganharam a licitação e garantiram o direito de construir e gerenciar o complexo penitenciário I do município de Ribeirão das Neves, tendo o contrato duração de vinte e sete anos.

São muitas as críticas, considerando que diversos estudiosos do direito afirmam o jus puniendi do Estado não é passível de delegação, bem como eventual delegação ensejaria abusos aos direitos humanos e desviaria das principais finalidades da pena, a ressocialização, pois a pena acabaria atendendo somente os anseios lucrativos sustentando o interesse econômico ao invés da eficiência da gestão na ressocialização do interno (CORDEIRO, 2006, p.82).

Contudo, para muitos não existe impedimento para que a iniciativa privada possa gerenciar presídios no que diz respeito à execução material da pena, sendo que o impedimento restringe-se as atividades jurisdicionais e administrativo-judiciárias (MIRABETE, 1993, p.61-71).

A questão da utilização do trabalho do preso como fonte de lucro para o particular é também um ponto debatido quando o tema é a privatização, eis que tal situação ensejaria lucro com o sofrimento alheio e o grande objetivo das empresas, o lucro, impediria a necessária preocupação com a reinserção social do preso (MINHOTO, 2000, apud FARIA, 2000, p.16-17)

Entretanto, segundo Capez (2002), a privatização não deve ser enfrentada do ponto de vista ideológico ou jurídico, devendo a proposta ser enfrentada como uma necessidade, visando melhorar o déficit de vagas no sistema carcerário, as condições de vida do interno na prisão e da ressocialização do condenado, considerando ainda que as prisões privatizadas são melhores que as condições que o interno vive atualmente nos presídios gerenciados exclusivamente pelos Estados.

Em suma, apesar de muitos doutrinadores considerarem a proposta inconstitucional, em razão de eventual delegação do direito de punir do Estado considera-se que tal fato não acontece, uma vez que o Estado continua detentor do direito de punir o condenado, sendo delegados somente serviços meios que muitas vezes são serviços de assistência ao preso como: alimentação, vestuário, lazer, serviços educacionais.

O trabalho do preso na penitenciária apesar das inúmeras críticas é visto como uma oportunidade para o preso que se livra do enorme tempo disponível, adquire experiência para sua readaptação ao convívio em sociedade, bem como serve para remir tempo da pena imposta.

Outrossim, considerando as experiências vivenciadas no país, percebe-se que a modalidade de terceirização dos presídios, apesar de sofrer pesadas críticas, tem apresentado experiências muito positivas, se considerados os níveis de organização prisional e reincidência.

Destarte, a questão da privatização total ou terceirização dos presídios não pode se esgotar em uma análise breve e sucinta do tema, sendo que o presente apenas apresenta um posicionamento acerca de um tema polêmico.

 é advogada no escritório Mascarenhas Barbosa

Revista Consultor Jurídico, 30 de agosto de 2015, 17h00

Comentários de leitores

4 comentários

Vamos privatizar os apedeutas da comunicação também!

Juliano Tavares (Bacharel - Criminal)

A privatização das prisões será a panaceia para o Sistema Penitenciário? Acordem!!! Só será bom mesmo, para os réus da lava-jato e do mensalão... A prisão deve ser assim do jeito que ela se apresenta... cometeu crime, cadeia! não cometeu crime, rua, liberdade!!! A iniciativa privada, digo os empresários que superfaturaram roubando do próprio Estado (lava jato e mensalão), logo entrarão nas disputas (sujas) licitatórias abocanhando essa fatia de mercado para única e exclusivamente lucrarem, ao colocarem nas prisões, pessoas (ops, sempre as mesmas!) sem instrução, pobres, negros/pardos de periferia... ajudando a superlotar o "bolso" do empresariado "preocupado" com a ressocialização alheia... tudo conversa fiada essa tal privatização! Se o Estado vai mal, por não saber investir corretamente nosso dinheiro na construção de prisões, hospitais, escolas, não venham com esta ideia de privatização! Vamos privatizar sim é a articulista, pois temos inúmeros agentes penitenciários que argumentam muito melhor... RECICLE-SE! Todo o administrador público de prisão quer melhoria para as Sistema, o problema é que o Governante não administra bem os fartos recursos que tem em mãos!

Tema palpitante e atual

Ademilson Pereira Diniz (Advogado Autônomo - Civil)

Sem dúvida que merece novas e urgentes análises e tema, para sua aplicação quase que imediata, pois não podemos compactuar com as pocilgas existentes, chamadas de prisões. Os argumentos contrários, sobretudo o de que o 'jus puniendi' estaria sendo 'terceirizado', é mera falácia: quem prendeu, julgou e condenou foi o ESTADO, apenas o estabelecimento em que o réu é encarcerado será ADMINISTRADO por particulares, e ainda assim com a supervisão pública. Pode-se, inclusive, melhorar a fórmula, começando-se com prisões particulares para determinado tipo de criminoso (o não violento, o crime de dinheiro, etc.) que servirá como balizamento para a ampliação do sistema. Deixar na mão do ESTADO, por meio de seus 'funcionários públicos', será admitir que o SITEMA jamais funcionará, pois sequer hospitais e escolas funcionam sob esse regime, que se dirá do trato com criminosos, sobre os quais pesa evidente menosprezo da sociedade? Acho até que certas profissões poderiam, inclusive, manter um sistema prisional para seus profissionais, a OAB, por exemplo, poderia manter um presídio para os advogados, assim como os médicos e outros profissionais poderiam manter as prisões de seus associados --- veja-se que as POLÍCIAS mantém sua prisões próprias (evidentemente há outras motivações aí referidas, mas pode ser um exemplo). O que não dá é para ver a degradação que sujeita os que já estão com os pés na lama, a sujeição imposta pelos 'donos das prisões' (funcionários e outros presos, estes detentores de privilégios) sobre outros presos que, assim, sofrem uma prisão dentro da própria prisão, tudo sob o olhar patético do ESTADO, que nada faz. A PRIVATIZAÇÃO É A SOLUÇÃO para quem realmente se preocupa com a questão.

Saída

Professor Edson (Professor)

Essa não é uma saída e sim a única saída, fora que aumenta as chances do reeducando de se recuperar socialmente , tendo em vista os recursos investidos, ainda mais aqui onde o estado não investe com a desculpa que construir cadeia não da voto

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 07/09/2015.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.