Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Digitalização da justiça

Tribunais reforçam equipe de desenvolvimento do PJe

Desde a última semana 25 servidores de tribunais de Justiça de todo o país reforçam a equipe de tecnologia da informação do Conselho Nacional de Justiça na operação, desenvolvimento e manutenção do Processo Judicial Eletrônico.

Os servidores atuarão na implantação do PJe na Justiça Estadual. A proposta da força-tarefa é preparar os representantes dos tribunais para lidar com as necessidades cotidianas geradas pela utilização da ferramenta nos seus estados de origem.

Durante a primeira etapa, encerrada na última sexta-feira (2/5), foram transmitidos os conteúdos de que os funcionários precisarão para programar mudanças que se façam necessárias à medida que o sistema comece a ser utilizado.

Na segunda etapa, que começou nesta semana, o grupo atuará nas instalações do Departamento de Tecnologia da Informação do CNJ para vivenciar o cotidiano da equipe responsável pelo PJe. Essa fase pode durar de um a três meses.

Segundo Rubens Curado, conselheiro do CNJ, o objetivo é “aprimorar ainda mais o PJe para implantação em todas as competências da Justiça Estadual, e também, formar servidores capazes de atuar como multiplicadores do conhecimento para instalação e manutenção do sistema nos seus tribunais”.

Para Guilherme Catoni, do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, o PJe garantirá maior praticidade na tramitação eletrônica do que o sistema utilizado atualmente, o ProJudi. “O ProJudi exigia a criação de vários subsistemas para cada necessidade. Agora o PJe vai permitir agrupar todos os subsistemas em um sistema só, com várias funcionalidades”, disse. Com informações da assessoria de imprensa do CNJ.

Revista Consultor Jurídico, 7 de maio de 2014, 10h31

Comentários de leitores

1 comentário

Testes de aplicações

Gilberto Serodio Silva (Bacharel - Civil)

Vão testar o PJe como mandam as boas práticas, inclusive de carga e capacidade?
Tem planejamento de capacidade considerando a escalabilidade necessária em razão do volume de processos em documentos eletrônicos? No meu entendimento o PJe é um workflow para que magistrados, servidores e operadores do Direito possam lidar com processos judiciais em formato eletrônico de imagem, que só servem para ler, em uma substituição direta de papel por documentos eletrônicos que tramitarão segundo códigos de ritos feitos para tramitar papel ainda que em formato eletrônico. Não entendi desenvolvimento, não está pronto? De qualquer forma boa sorte, fazendo votos hajam métricas estabelecidas para que possam avaliar resultados e ROI.

Comentários encerrados em 15/05/2014.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.