Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Reforma do judiciário

Justiça é nebulosa e cresce sem controle da sociedade

Por 

A solução é tão insensata que o próprio presidente do STF, o ministro Joaquim Barbosa , a rechaçou —trata-se da contratação quase pronta de mais juízes para a Justiça Federal. Mas de onde teria vindo a instrução para sua efetivação? Como uma decisão de tal envergadura anda internamente até o ponto em que só o horrorizado presidente do STF a manda obstar? Uma decisão dessas não deveria se iniciar na cúpula e não, na base? Quem teria iniciado esse procedimento?

Penso ser esse o retrato hoje da Justiça. A própria sociedade civil, que é quem finalmente paga a conta, não sabe o que se passa nos vários “departamentos“ de uma nebulosa e tentaculada atividade que cresce explosivamente , sem respeito a qualquer controle interno ou externo.

Supunha-se que o Conselho Nacional de Justiça pudesse oferecer algum freio para o gigantismo da Justiça. Sabe-se agora que isso não se deu. O curioso é que forças poderosas da sociedade civil, tais como a Fiesp ou a Febraban, legítimos interlocutores da sociedade civil, calam-se e permitem que 100 milhões de ações estejam hoje a entupir os escaninhos dos tribunais impedindo a oxigenação da cidadania e da economia. Ao que parecem os denominados operadores do Direito: os advogados, os juízes e o os promotores vibram com essas ações que, creem, possa representar elas “serviço“ quando, na realidade, tudo é um desserviço que se presta ao cidadão comum e às suas empresas .

Anos depois, decide o STF que a emenda aprovada no Congresso é inconstitucional, motivo pelo qual dá-se o dito pelo não dito e R$ 100 bilhões em dívidas dos estados e municípios continuam sem solução. Mal sabem os operadores do direito que tudo se transformou em chacota aos olhos do cidadão comum (bem como aos nossos críticos olhos) e que a atividade que juramos desempenhar com fidedignidade em nossa formatura é objeto agora de escárnio.

Cabe, no entanto, uma reação da sociedade civil. Por onde virá ela? Creio que começar nossa sonhada reforma política pela reforma do Judiciário será um bom começo. Com a palavra as poderosas entidades da sociedade civil, únicas que podem enfrentar a Medusa –“cujo olhar é capaz de petrificar quem a encare“.

 é doutor em Direito pela USP, com especialização na New York University e na Harvard University, e autor do livro “A Pirâmide da Solução dos Conflitos”, editado pelo Senado Federal.

Revista Consultor Jurídico, 22 de março de 2013, 7h15

Comentários de leitores

7 comentários

Qual a Reforma?

DJU (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Justiça célere e barata, todos dizem desejar. Mas qual a reforma e quais os interesses que serão contrariados por ela? Há dias um advogado de bancos contou-me que se obrigava a ingressar com todos os recursos possíveis, até embargos de declaração ainda que impróprios para o momento, nas ações em que os bancos tinham interesse em protelar. A Febraban deseja sempre justiça célere? As fazendas públicas, se devedoras, também têm essa intenção? Há inúmeros outros interessados na protelação.

sem investimento, sem resultado

Prætor (Outros)

Escrevam o nome do articulista e guardem: se algum dia o virem reclamando da lentidão dos feitos na Justiça, deverá ser lembrado que ele combateu ferozmente os investimentos para tornar o Judiciário capaz de dar conta de 100 milhões de processos em trâmite.

Fiesp e Febraban são algumas das entidades da sociedade

Roberto ferrari de Ulhôa Cintra (Outros)

a sociedade civil é constituída por dezenas , se não centenas de entidades , com poder de interferir nos destinos das instituições políticas. Fiesp E Febraban são duas delas .Penso que o cidadão comum terá a sua disposição ONGS que poderão clamar por uma Reforma do Judiciário de natureza menos burocratizada do que os caminhos que vêm percorrendo a Justiça brasileira nos últimos 40 anos . Como não vejo qualquer ONG atuando em defesa de uma justiça célere e barata , penso que apelar para Fiesp e Febraban iniciem uma campanha talvez seja uma decisão válida.Vai que a moda pega .

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 30/03/2013.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.