Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Defesa do CNJ

Corregedora cancela presença em ato da OAB

A corregedora nacional de Justiça, ministra Eliana Calmon, vai enviar um ofício ao presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Ophir Cavalcante, para informar que não participará do ato de lançamento do Movimento Nacional em Defesa do Conselho Nacional de Justiça, organizado pela OAB, na próxima segunda-feira (21/3), em Brasília. As informações são do Blog do Fred, de Frederico Vasconcelos. 

A corregedora declarou que apesar de ter o maior interesse em fortalecer o CNJ, e "mesmo entendendo que não foi nenhum desagravo ao Supremo Tribunal Federal, decidi por não estar presente no evento da Ordem dos Advogados do Brasil em apoio ao Conselho Nacional de Justiça". Calmon explicou que quando foi convidada pela OAB, não tratou da renovação do colegiado do CNJ e nem de questionamento de decisões do Supremo Tribunal Federal, mas que a ideia do ato surgiu por causa das manifestações de associações de juízes contra o CNJ.

No último dia 4, a OAB informou que a ministra tinha aceitado o convite. Segundo o presidente da entidade, Ophir Cavalcante, o movimento surgiu a partir da "preocupação com a crescente mobilização de forças que, historicamente, se opõem a um órgão de controle externo capaz de fiscalizar e punir condutas incompatíveis com a efetiva entrega da prestação jurisdicional".

Cavalcante citou um caso recente em que o ministro do STF, Celso de Mello, autorizou o retorno de sete juízes e três desembargadores aposentados pelo CNJ aos quadros do TJ-MT por entender que cabe às corregedorias estaduais a investigação de seus juízes. Ele disse que "há um temor na Ordem e nos meios jurídicos de que essa prática possa levar ao esvaziamento desse importante órgão de controle".

Ao manifestar o apoio da Seccional do Distrito Federal da OAB ao movimento, o presidente da seccional, Francisco Caputo afirmou que, "o Conselho foi a maior conquista republicana dos últimos anos. O relevante serviço de aperfeiçoamento institucional do Judiciário que o CNJ tem feito deve ser preservado a todo custo”.

Em nota, a Associação dos Magistrados do Estado do Pará (Amepa) e a Associação Nacional dos Magistrados Estaduais (Anamages) criticaram a campanha da OAB. Segundo a Amepa, “a suposta campanha de defesa do CNJ é, na realidade, segregacionista e inoportuna, pois, procura tratar esse Órgão do Judiciário Brasileiro como se fosse externo ao referido Poder e, funcionalmente, acima do Supremo Tribunal Federal”. A Anamages acusa a campanha da OAB de ser uma “retaliação diante das sucessivas recusas dos Tribunais às indicações feitas pela OAB de nome de advogados para compor o Quinto Constitucional ou vagas nos Tribunais Superiores”.

Revista Consultor Jurídico, 16 de março de 2011, 16h27

Comentários de leitores

6 comentários

OPHIR PENSA QUE É DEUS, MAS NÃO É

Pedro Sugiyama (Vendedor)

A ministra se deu conta da rouba que entrou e conseguiu cancelar, mas o Sr Ophir ficou com a batata quente, quem sabe agora o STF não coloca um fim no exame da ordem que é inconstitucional e coloca a OAB para fazer o serviço dela correto que é de fiscalizar e punir os advogados e com isso mais serviço para o Sr. Ophir ter o que fazer e não ficar pensando que é Deus, em como aparecer na midia.

falta de desconfiômetro

João Augusto de Lima Lustosa (Advogado Sócio de Escritório)

A OAB tem se mospotrado um órgão político em cada manifestação que faz. Apoia manifestações maniqueístas e se esquece que, sendo um órgão que congrega uma classe, devia ter uma sintonia fina para não parecer um macaco doido em loja de louças. Será que a visível vontade de aparecer na mídia o Presidente da OAB Federal é tão maior do que o cuidado que deveria ter ao tratar um assunto como o CNJ, que é um instituto supra jurisdicional e que põe a classe dos magistrados em cheque, por culpa deles mesmos. Não desconfia que o CNJ é um mal necessário, um hospital gerado nos males do corporativismo doentio da Justiça brasileira que precisa continuar funcionando em silêncio e punindo os desvios de conduta. Isto põe em cheque o Poder Judiciário e deve ser levado em conta. Ele tem que funcionar em low profile, como se fosse uma Maçonaria do bem. Daí é que a publicidade, como a entende o Dr. Ophir Cavalcante, é uma aberratio a enfeitar a sua vaidade.

IMPORTÂNCIA DO CNJ

B M (Advogado Autônomo - Civil)

Que o CNJ tem prestado relevantes serviços ao país é inegável. O CNJ tem controlado as exacerbações do judiciário e, este, vem demonstrando respeito ao CNJ, pois agora se sabe que existe um órgão controlador que tem poderes atribuídos pela Carta Federal muito bem vigilante. Entretanto o presidente da OAB, com este propalado "apoio" ao CNJ, está se configurando como uma incitação a desentendimentos entre o STF e CNJ.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 24/03/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.