Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Razão de ser

Comemoração valoriza os direitos da mulher

Por 

Consagrada como Dia Internacional da Mulher, a data de 8 de março vem sistematicamente propiciando em toda parte eventos culturais ou festivos que são promovidos por entidades ou grupos que pretendem contribuir, de alguma forma, para a perpetuação do seu simbolismo.

Simbolismo que justifica a sua existência e a sua celebração, a despeito dos questionamentos que surgem às vezes, principalmente por elementos do sexo oposto, que não estão inteirados do seu verdadeiro sentido, e costumam indagar: “Por que um Dia Internacional da Mulher?”. “Por que não também do homem?”

Na verdade, embora a sua existência se prenda a intensos movimentos de reivindicação política e trabalhista, a greves, passeatas e perseguição policial, em acontecimentos que tiveram lugar na primeira década do século XX, essa data simboliza a busca da igualdade social entre homens e mulheres, arduamente conquistada no decorrer do século precedente até chegarmos às transformações que, neste século, estabeleceram a consciência do papel da mulher como trabalhadora e cidadã, contribuindo para o desenvolvimento social e o bem-estar geral. Culminando com a aceitação do seu desempenho pela própria sociedade, ao atribuir-lhe, pelo voto, a sua representação política no mais alto nível.

Com efeito, embora essa celebração muitas vezes esteja associada a um incêndio ocorrido numa fábrica em Nova Iorque, em 1911, nos Estados Unidos, que marcou o ativismo feminista naquele país, a sua origem foi detectada já em 1910, quando na Primeira Conferência Internacional de Mulheres da Internacional Socialista, realizada em Copenhagen, foi proposta pela alemã Clara Zetkin, passando a ser comemorada em datas variadas, sendo-lhe consagrado o dia 8 de março apenas na década de 60, com a revitalização do feminismo, acabando por ser oficialmente instituído pela ONU em 1975, ano que fora designado “Ano Internacional da Mulher”.

Desde então a data tem por objetivo lembrar tanto as conquistas sociais, políticas e econômicas das mulheres em seus respectivos países, como também as discriminações a que ainda estão submetidas muitas mulheres em vários lugares do globo.

A periodicidade dessa comemoração, portanto, traz em seu bojo uma história muito significativa das dificuldades encontradas pelas mulheres de todo o mundo para construir a sua ascensão à igualdade de oportunidades e participação na vida social, e das conquistas que, sem desmerecer o papel que continuam a exercer no seio da família, na procriação e na criação dos filhos vieram permitir-lhes, através de muitas lutas, não só colaborar com seus proventos para a renda familiar e assim constituir profissionalmente para o desenvolvimento e o progresso da nação, mas também, pelo voto e pela representação política arduamente conquistados, alterar o seus status na sociedade proporcionando-lhes o acesso igualitário a cargos e postos que antes lhe eram vedados. Situação hoje irreversível, que constitui a mais poderosa arma contra a discriminação de que era vítima.

São motivos suficientes para a celebração de uma efeméride que, tendo dimensão global, faz ruir as fronteiras das raças e nacionalidades, e nos transforma, as mulheres do mundo, numa grande irmandade com aspirações comuns e ações solidárias!

Ivette Senise Ferreira é presidente do Instituto dos Advogados de São Paulo (Iasp).

Revista Consultor Jurídico, 8 de março de 2011, 7h28

Comentários de leitores

2 comentários

BRAVO!!!

Marco 65 (Industrial)

Até que enfim consegui ler algo que traduz a realidade da nossa gente!!!
Parabéns a voce (eyelegal.tk)!

Dia Internacional de Luto

www.eyelegal.tk (Outros)

Pela explosão do número de homicídios passionais praticados contra mulheres, detonada com a edição da Lei Maria da Penha que foi produzida por homossexuais dentro da inconstitucional Secretaria de Políticas para Mulheres da Presidência da República e aprovada no Congresso pelo rolo compressor do PT com o objetivo de instalar o conflito nas famílias brasileiras.
.
Pelos milhões de crianças e mulheres que morrem em conseqüência de abortos no mundo inteiro, legalizados por governos assassinos. Aborto que a presidente de vocês defendeu até ser obrigada a tergiversar para não perder a eleição.
.
Dia de luto pelos lares desfeitos pelas políticas sexistas radicais de um governo genocida que patrocina uma gigantesca campanha ideológica na mídia para destruir as famílias, tirar a autoridade dos pais e separá-los de seus filhos.
.
Dia de luto por um discurso retrô de feministas anacrônicas que não têm nada a comemorar, a não ser se tornarem velhas, feias, frígidas e sem homens para amar, mulheres desnaturadas que preferem o seu próprio sexo, anti-homens que fracassaram em conviver com um marido, ter família e que não encontraram a felicidade.
.
O dia internacional da mulher é clímax da cultura da morte, da anti-natalidade, da promoção anti-família de supostos avanços e direitos que tiram a dignidade da mulher com enganação e ideologias produzidas por filósofos intelectualmente desonestos.
.
Não há nada a comemorar.
.
Toda unanimidade é burra.
.
Decida-se leitora. Quem é você? Uma mulher ou uma imitação de um homem?

Comentários encerrados em 16/03/2011.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.