Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Mundo eletrônico

Advogados não estão prontos para processo digital

Nove de cada dez advogados não se sentem preparados para atuar no processo eletrônico. A revelação veio de uma enquete aberta no site da seccional paranaense da Ordem dos Advogados do Brasil, em agosto do ano passado.  Entre os motivos para o despreparo, está a falta de cursos e informações. Num esforço para sanar essa filha , a a Associação dos Advogados Trabalhistas do Paraná está promovendo o 2° Encontro Sul-Brasileiro de Advogados Trabalhistas, que abordará, principalmente, a modernização do Direito do Trabalho no Brasil e na América do Sul.

Para Marco Antônio Villatore, Presidente da AATPR, apesar da informatização da justiça ser gradual, para que os advogados possam ir se adaptando ao sistema, ainda se faz necessário mais debates e treinamentos específicos. “Tudo o que é novo gera muitas ressalvas. Todos os juristas sabem e entendem a importância da aplicação de tecnologias para a expansão do Direito e agilização do processo, uma vez que é uma maneira eficiente, prática e inteligente de gerenciar os trabalhos”, comenta. Para ele, o que falta é entender mais profundamente como utilizar estas fermentas. Afinal, não se trata mais de escolher o meio, papel ou virtual. O virtual é imprescindível, uma vez que o Conselho Nacional de Justiça está tornando obrigatória, aos poucos, a virtualização”. Mais informações sobre o evento, na página da Associação. 

DVDs ensinam
Sabendo dessa necessidade, a revista Consultor Jurídico criou a série de DVDs Advocacia 2.0. Os vídeos trazem palestras do seminário promovido em São Paulo, no ano passado. O material ensina como os advogados podem potencializar a atividade jurídica com uso da tecnologia; quais são os endereços que não podem faltar entre os favoritos do profissional; como será a justiça virtual com o processo eletrônico; e outras informações indispensáveis para quem quer sair na frente nesta nova era. (Clique aqui para ler mais).

Revista Consultor Jurídico, 10 de maio de 2010, 7h48

Comentários de leitores

3 comentários

PROCESSO ELETRÔNICO OU VIRTUAL

PM-SC (Advogado Autônomo - Civil)

De fato a adoção de uma nova metodologia científica para a produção de bens e serviços exige inicialmente conscientização e aceite como fatores decisivos ao alcance de êxito. A paciência seguida de estudo e treinamento, é o caminho a ser trilhado. Neste mundo moderno globalizado, escritório de advocacia passou a ser uma empresa de produção de serviço que deve primar pela eficiência, do mesmo modo como os tribunais estão se encaminhando. E a tecnologia disponibilizada pela informática vem se mostrando como importante fonte auxiliar. As casas de crédito (Bancos) são exemplos vistos até por pessoas humildes que vão ao caixa eletrônico fazer operações financeiras. Desse jeito, a quem se propõe a exercer a advocacia, precisa dispor de equipamentos e treinamentos básicos na área da informatização, igualmente como modo como o agrimensor precisa dispor de teodolito e de “GPS”, sob pena do juiz não designá-lo para servir de perito numa ação divisória de terra rural, pois acabou o tempo em que se fazia medição com corda ou fita métrica.

RESULTADO PRÁTICO

Marcelo Martins - Adv em Niterói-RJ (Advogado Autônomo - Civil)

O articulista acima está repleto de razão. Não se pode simplesmente dizer que o processo será eletrônico e que cada tribunal escolherá a forma, pois teremos uma verdadeira torre de babel. Já que o CNJ determinou que todos os processos do pais tenham numeração única, o melhor é determinar que todos os tribunais do país utilizem a mesma tecnologia, de preferência com softwares free, proporcionando ao advogado a confecção das peças processuais de modo uniforme e a certeza de esta será aceita em todos os tribunais. Isso poupa tempo, reduz drasticamente o custo, alcançando resultado prático eficaz. Na minha pequena experiência, adotaria o modelo de .PDF como padrão, eis que hoje é fácil a conversão para este formato de arquivo, através de software grátis, como cute pdf, o que utilizo no meu dia a dia. Como o articulista acima, atravessei o mesmo problema de incompatibilidade de software - impressora laser, scanner de mesa, fax tudo em 1 da HP. Demais disso, fosse o processo eletrônico o salvador da miséria, não haveria conclusão para sentença em processo digital de JEF com demora de 01 ano - proc. 2008.51.52.000129-9 -Concluso ao Juiz(a) LUIZ CLEMENTE PEREIRA FILHO em 06/07/2009 para Sentença SEM LIMINAR por JRJMEC.

MAS NÃO É SÓ OS ADVGADOS!!!!!

Citoyen (Advogado Sócio de Escritório - Empresarial)

A verdade é que NÃO É SÓ os ADVOGADOS.
Os próprios SISTEMAS NÃO ESTÃO PREPARADOS para o PROCESSO ELETRÔNICO!
É muito fácil formular petição ou arrazoado pelo processo eletrônico.
A grande questão NÃO RESOLVIDA é o EXAME de PETIÇÕES e de PROVAS constantes de um processo que passou a ser ELETRÔNICO.
Por qualquer sistema atual o PETICIONAMENTO NÃO É UM PROBLEMA, o PROBLEMA RESIDE no PETICIONAMENTO que aborde os COMENTÁRIOS CONTRADITÓRIOS de OUTRA PETIÇÃO, do "ex adversu", bem como a ANÃLISE de DOCUMENTOS que se encontram em diferentes páginas do processo eletrônico.
Numa rápida análise, um processo eletrônico que demandasse o constante exame de páginas de processo onde se situam provas e a petição a que se quer apresentar oposição levaria horas para que um BOM ADVOGADO, já adequadamente "adestrado", conseguisse o exame profissional e consciente, além de responsável, daquilo que ele QUER e TEM que CONTESTAR ou IMPUGNAR!
Portanto, há um longo caminho a percorrer, antes que se possa falar ou pensar em PROCESSO ELETRÔNICO!
"Last but not least", ainda tem que se pensar que, a não ser pelos Advogados dos grandes escritórios, que poderão contar sempre com uma ESTRUTURA TÉCNICA, para introduzir os Advogados do escritório que assite no processo eletrônico, os CUSTOS dos EQUIPAMENTOS para que um Advogado responsável, mas que NÃO PERTENCE a uma GRANDE ESTRUTURA, são insuportáveis, sem contar com o fato de que algumas empresas de produção de hardware, como a HP, não compatibilizam seus novos produtos com alguns da MICROSOFT, experiência essa que eu vivi, quando tive que adquirir um computador HP com o sistema WINDOWS 7, da Microsoft, que era incompatível com uma IMPRESSORA HP e um outro, SCANNER, da PRÓPRIA HP!_ Ambos novos!
Creiam, é a pura realidade!

Comentários encerrados em 18/05/2010.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.