Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Critérios de pertinência

Conselheiro quer restringir número de consultas ao CNMP

O conselheiro Cláudio Barros, do Conselho Nacional do Ministério Público, apresentou, na segunda-feira (22/9), proposta de enunciado com objetivo de estabelecer critérios para as consultas apresentadas ao conselho.

Para o autor da proposta, é preciso restringir as consultas “uma vez que o papel do Conselho Nacional não é o de substituir o administrador”.

Barros diz que a “edição de atos normativos pelo CNMP é uma forma de fazer cumprir os ditames constitucionais e legais pertinentes a matérias relacionadas à Instituição; os contornos e a interpretação a serem aplicados pelas diversas unidades do Ministério Público, relacionadas a esses atos, devem ficar a cargo de cada administrador”.

Pela proposta, as consultas dirigidas ao CNMP terão de apresentar requisitos como pertinência da matéria com as finalidades dos conselhos e serem formuladas em tese. Além disso, não devem ser admitidas consultas sobre questões administrativas concretas e ela têm de ser de interesse geral.

Segundo o regimento do CNMP, a proposta deve esperar 15 dias para recebimento de sugestões, antes de ser apreciada pelo Plenário.

Informações na internet

Na sessão de segunda, o CNMP decidiu recomendar às unidades do Ministério Público que disponibilizem na internet informações atualizadas com nome, cargo, endereço, telefone funcional, ofício e atribuições de todos os membros da instituição.

Segundo o conselheiro Osmar Machado, autor do pedido, a medida se justifica na necessidade de fornecer aos cidadãos informações básicas sobre as áreas de atuação dos membros do MP.

Revista Consultor Jurídico, 24 de setembro de 2008, 9h58

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 02/10/2008.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.