Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Crítica ao sistema

Justiça rejeita pedido para proibir filme Tropa de Elite

O filme Tropa de Elite é uma crítica genérica ao sistema e não ofende a honra e a dignidade de policiais. Com este entendimento, a juíza da 1ª Vara Cível do Rio, Flávia de Almeida Viveiros de Castro, rejeitou nesta quarta-feira (12/9) os pedidos de liminares de integrantes do Bope (Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar) para impedir a exibição do filme.

O grupo entrou com ação contra a Zazen Produções e a distribuidora Paramount Pictures do Brasil, alegando que a obra “ataca a corporação e viola a honra, dignidade e até mesmo a integridade física dos policiais”.

O filme estréia no mês de outubro nos cinemas, mas cópias piratas já fazem sucesso nas bancas dos camelôs do Rio de Janeiro e de São Paulo.

O longa, com direção de José Padilha, mostra a corrupção da Polícia Militar do Rio de Janeiro e práticas violentas do Bope para combater o tráfico de drogas nos morros cariocas.

Após ver o filme, a juíza disse que a história critica o "sistema" e que não é possível identificar se o "sistema" seria o Bope, a Polícia Militar, a universidade, a sociedade, o jogo do bicho, o tráfico ou políticos.

“Não existem ataques às instituições. As críticas feitas (o discurso do personagem principal várias vezes o refere) são ao sistema. E não há conceito mais aberto, mais indeterminado do que este”, afirmou a juíza.

“Tropa de Elite” é baseado em depoimentos de pessoas ligadas ao Bope. Tais depoimentos foram destruídos após a conclusão do filme para não comprometer seus colaboradores.

Revista Consultor Jurídico, 14 de setembro de 2007, 0h00

Comentários de leitores

3 comentários

Não sou estudioso no assunto, mas sou criativo....

EduardoMartins (Outros)

Não sou estudioso no assunto, mas sou criativo. Penso que a única forma de limpar a polícia no Rio é com concursos. Seria preciso transferir todos os policiais de um batalhão, por exemplo, para preencher vagas em outros e nessa batalhão vazio empossar os concursados, todos novos. Seria a única esperança de tentar formar uma unidade limpa sem influência e más companhias. E a medida que novas vagas fossem surgindo pelo Estado o mesmo seria feito novamente, esvaziando mais um (transferindo os policiais para vagas abertas em outros) e preenchendo com novos concursados. Vagas para transferência sempre vão ocorrer, pois sempre há gente expulsa, morta e aposentada nos outros batalhões e unidades. O que não adianta é colocar gente nova, muitas vezes idealistas, no meio dos lobos. Os novos Batalhões deveriam se reportar diretamente a uma cúpula de Segurança do Estado escolhida a dedo pelo governador. Seriam dois sistemas em paralelo, um novo e um velho falido, até que o novo pudesse aos poucos substituir o velho.

Próxima estréia Políticos de Elite.

SAMPAIO (Servidor da Polícia Militar)

Próxima estréia Políticos de Elite.

A PM do RJ e o BOPE não são perfeitos e têm ind...

Bob Esponja (Funcionário público)

A PM do RJ e o BOPE não são perfeitos e têm individuos corropidos, entretanto são instituições sérias, ondes homens e mulheres engajados lutam diariamente contra a violencia. Que este filme sirva de alerta para a policia e que a sociedade lute pela melhoria dessas instituições.

Comentários encerrados em 22/09/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.