Consultor Jurídico

Artigos

Marketing jurídico

Blog jurídico é uma poderosa ferramenta de negócios

Por 

Segundo a Wikipédia, weblog ou, simplesmente, blog, é “uma página da web cujas atualizações (chamadas posts) são organizadas cronologicamente (como um histórico ou diário)”11. Normalmente são sites de visual simples, com uma organização bastante objetiva, voltados para a inclusão rápida de conteúdo e que permitem comentários pelos visitantes.

O termo weblog surgiu pela primeira vez em 1997 e, a partir de 1999/2000, tornou-se um recurso extremamente popular que, sob certos aspectos, mudou a face da internet. Segundo estudo publicado em outubro de 2006 pela Technorati, site especializado no acompanhamento da chamada “blogosfera”, o conjunto de todos os blogs disponíveis na internet, existem mais de 57 milhões deles, número que aumentou substancialmente a partir de 2005 22. O estudo indica também que novos blogs são criados a cada segundo e que uma média de 1,6 milhão de posts são publicados diariamente.

Com toda essa quantidade, a qualidade certamente varia muito. Existem muitos blogs excelentes, verdadeiras referências, assim como muitos de qualidade duvidosa, para não mencionar que a grande maioria carece de atualização regular. Nos últimos anos ganharam forte atenção do mundo empresarial, ainda que permaneça uma visão preconceituosa de que blogs servem apenas para adolescentes escreverem sobre suas vidas. Mas, no geral, esse pensamento vem mudando, pois quem se envolve profissionalmente com blogs, seja do ponto de vista de leitor ou de autor, só tem a ganhar.

Em vários países do exterior, principalmente nos Estados Unidos, já existem inúmeros blogs mantidos por advogados, seja de forma independente ou associada a um escritório. Já são vários os exemplos de sucesso, pois eles agregam credibilidade ao seu autor, permitem a interação com visitantes através de comentários e, em muitos casos, geram negócios. Em outras palavras, o advento dos blogs jurídicos não pode ser ignorado pelos advogados brasileiros.

Já existem blogs jurídicos no Brasil, mas o número total ainda é pequeno. Ainda menor, então, é o número de blogs de escritórios. Como é uma tendência aparentemente irreversível, os escritórios que saírem na frente certamente terão inúmeras vantagens sobre os demais. Um ponto importante a ressaltar é que blogs, embora sejam sites, não têm o apelo institucional característico de um site tradicional. Devem, sim, ser vistos como um complemento de grande valor, e uma excelente ferramenta de marketing jurídico, com capacidade para levar o relacionamento com clientes, potenciais clientes e o mercado em geral a novas direções.

Para um melhor entendimento do quanto um blog pode ser valioso para um escritório, seguem algumas características básicas:

–Tempo: Para um blog ter maiores chances de sucesso, é preciso que ele sempre tenha novidades. Ou seja, é preciso que o advogado responsável invista um tempo, semanalmente ou até diariamente, na criação de novos posts. Por outro lado, blogs podem ter vários autores, o que possibilita a divisão do trabalho de atualização.

–Paciência: Além do investimento de tempo, é preciso entender que os visitantes só vêm com o tempo. Não se deve achar que o mundo descobrirá o blog da noite para o dia. É preciso escrever bastante, sendo que uma divulgação no site do escritório e em outros meios de comunicação é muito bem-vinda.

–Credibilidade: A principal conseqüência de se manter um blog jurídico, com posts de qualidade, é seu autor ganhar credibilidade como resultado da exposição contínua de seus conhecimentos. Essa credibilidade poderá ser recompensada com comentários dos visitantes e contatos diretos, que poderão resultar em negócios, participação em matérias da imprensa, convites para publicar artigos, convites para palestras etc.

–Relacionamento: Diferentemente dos sites tradicionais, blogs permitem que os visitantes deixem comentários, o que leva a uma conversação permanente entre o autor do blog e seus visitantes. O mais interessante é que essa interação pode se transformar em relacionamentos rentáveis e duradouros.

Google: O Google simplesmente adora blogs. Quanto maior o número de posts publicados, maior o número de páginas no índice do Google e, conseqüentemente, maior o número de visitantes. E, quanto maior for esse número, maior será o de visitantes realmente interessados no conteúdo do blog.

Para aumentar as chances de sucesso, não basta apenas criar um blog e sair escrevendo sobre todo e qualquer assunto jurídico. É preciso, também, realizar um mínimo de planejamento e tomar certos cuidados. Seguem algumas recomendações básicas:

–Nicho: É essencial escolher uma área específica do Direito, idealmente um nicho, e explorá-la ao máximo. Ainda que existam poucos blogs de escritórios, a escolha de um nicho bem delimitado terá maiores chances de trazer resultados. Um ponto fundamental é garantir que o nicho escolhido seja um assunto efetivamente dominado pelo advogado.

–Título do blog: O título deve, explicitamente, refletir o tema do blog, o nicho escolhido. É essencial, pois muitas pessoas encontrarão o blog através de ferramentas de busca. Logo, é preciso um título que se destaque nas páginas de resultados.

–Conteúdo: Os posts são a alma do blog e devem, obrigatoriamente, ser relevantes, atuais e de qualidade. Devem refletir o conhecimento e a personalidade de seu autor. É preciso lembrar que, ainda que um blog possa ser associado a um escritório, ele deve ter voz própria. Não deve nunca apresentar textos no estilo de material institucional.

–Título dos posts: Muito importante também é dar bons títulos aos posts. O título deve refletir o conteúdo e, ao mesmo tempo, ser atraente. Assim como o título do blog, o título dos posts aparece nas páginas de resultados das ferramentas de busca.

Links: Manter uma lista de links é uma característica da ferramenta. Além da lista, que geralmente fica na lateral do blog, é recomendável criar links nos posts para todos os sites e blogs citados. Os links ajudam a aumentar a audiência, proporcionam eventuais contatos e levam um blog a subir no ranking do Google. Nessa mesma linha de raciocínio, é aconselhável também deixar comentários nos posts de outros blogs.

Depois de todas essas informações, como, então, fazer para criar um blog? Geralmente é uma tarefa considerada fácil até para os leigos em informática. No Brasil, existem diversas opções disponíveis, em sua maioria, gratuitas e com explicações detalhadas. Destaque para o Blogger, um dos serviços pioneiros e que atualmente ganhou novos recursos3. Saindo da linha gratuita, uma das melhores soluções disponíveis no mercado é o TypePad4. Não é uma solução totalmente disponível em português, mas, com a ajuda de um técnico, é possível ter um blog de última geração em nosso idioma.

Enfim, as possibilidades são inúmeras. Talvez o mais importante, de tudo o que foi dito, seja entender que blogs podem ter um papel marcante na estratégia de marketing de qualquer escritório de advocacia.

Notas de rodapé

1 – Vide informações disponíveis em http://pt.wikipedia.org/wiki/Blog.

2 – Vide http://www.sifry.com/alerts/archives/000443.html

3 – Vide http://www.blogger.com/start?hl=pt-BR

4 – Vide http://www.typepad.com

Topo da página

 é sócio da Gonçalves & Gonçalves Marketing Jurídico e especialista em marketing para advogados e escritórios de advocacia. Pós-graduado em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas, é autor do blog marketingLEGAL e do pioneiro estudo “O Estado do Marketing Jurídico na América Latina”.

Revista Consultor Jurídico, 30 de abril de 2007, 00:00h

Comentários de leitores

1 comentário

Os juízes estão "carecas" de saber que ao Advog...

Dijalma Lacerda (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Os juízes estão "carecas" de saber que ao Advogado constituído não existe segredo de Justiça, face o disposto no artigo 133 da CF/88 e a imperatividade da ampla defesa do artigo 5o. da mesma Carta, tudo ainda sem contar a Lei Federal 8906/94. Aliás o STF vem decidindo reiteradamente em tal sentido. Assim, indubitavelmente constitui manifesto, deliberado, doloso abuso de autoridade, fazer o que certos maus juízes têm feito, isto é, negado vista de autos, prontamente como deveriam, a advogados regularmente constituídos. E assim têm agido porque nada lhes tem acontecido. Saem sempre ilesos de seus malévolos abusos ! Eu, da minha parte, pau neles, a Lei na cabeça deles. Eles estão prestando um desserviço à Justiça na medida em que obstaculizam o trabalho de quem a própria constituição federal reconhece como a ela indispensável. É simplesmente um absurdo que quem deveria ser fiel à Lei, seja o primeiro a desobedecê-la; O irônico disso tudo é que quando a coisa ardeu do lado da magistratura, com todo o povo brasileiro a nivelá-la por baixo face os recentes episódios, aí sim vieram dizer (eles que antes diziam exatamente o contrário) que as nossas prerrogativas devem ser respeitadas. Ora, desde há muito tempo têm que ser respeitadas !!!! Repito, enquanto não houver séria criminalização dessas abusivas condutas, eles continuarão a desrespeitar nossas prerrogativas ao seu bel talante. CRIMINALIZAÇÃO JÁ !!!!! Dijalma Lacerda.

Comentários encerrados em 08/05/2007.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.