Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Medida judicial

Duda Mendonça entra com ação contra Veja nos próximos dias

O publicitário Duda Mendonça negou as acusações feitas contra ele pela revista Veja, na edição que chegou às bancas no último sábado (14/1). O publicitário, que promete entrar com ação na justiça contra a publicação nos próximos dias, acusa a revista de tentar destruir uma reputação profissional construída ao longo de 30 anos de idôneo trabalho publicitário.

Com o título de “Marketing Bandido”, Veja afirma em sua reportagem de capa que Duda “está envolvido com superfaturamento de contratos com órgãos públicos, remessas ilegais de dinheiro para o exterior, contas secretas em paraísos fiscais, sonegação de impostos e crime eleitoral”. Duda rebate as afirmações.

De acordo com a semanal, a quebra de sigilo bancário do publicitário revela ingresso de mais de R$ 700 milhões em suas contas nos últimos cinco anos, com muitos pagamentos sem identificação. Segundo Duda, o dado é incorreto. Ele afirma que faturamento total bruto de suas três empresas no período foi de R$ 593 milhões. Argumenta que o valor é compatível com o de outras empresas do mesmo porte no mercado publicitário brasileiro. Dados de uma pesquisa da revista especializada Meio e Mensagem mostram que, em 2004, o faturamento da Duda Propaganda (R$ 78 milhões) esteve bem abaixo de gigantes como a Y&R (920 milhões), Lew Lara (R$ 450 milhões) E Ogilvy Brasil (R$ 400 milhões).

Duda esclarece que cerca de 85% do valor faturado destina-se ao pagamento de fornecedores e de custos de veiculação nos meios de comunicação. E explica que a agência apenas faz a intermediação desses recursos, recebendo de seus clientes e pagando aos veículos de comunicação.

Outro dado contestado por Duda é o de ele não teria como justificar o destino de R$ 172 milhões, que deveriam ter sido destinados a seus fornecedores. Segundo o publicitário, todo o dinheiro movimentado por suas empresas está identificado na contabilidade. No caso das contas públicas, afirma, o dinheiro do governo federal entra na conta da agência e vai diretamente para as contas dos fornecedores e dos meios de comunicação.

De acordo com o publicitário, dos R$ 559 milhões faturados por uma de suas empresas, a Duda Propaganda, R$ 445 milhões foram repassados para os meios de comunicação e fornecedores.

O marqueteiro rechaça, por fim, a informação de que fez remessas ilegais de dinheiro ao exterior. Segundo ele, a Duda Mendonça Propaganda & Associados fez apenas seis remessas de dinheiro ao exterior, que somaram US$ 42 mil, para pagar inscrições da agência no Festival de Publicidade de Nova York.

Leia a reportagem de Veja

Marketing bandido

O publicitário Duda Mendonça ficou conhecido como um gênio da propaganda política. Suas campanhas ajudaram a eleger 28 candidatos, num espectro ideológico que passa por Paulo Maluf, Fernando Collor e, seu maior triunfo, o presidente Lula. O publicitário Duda Mendonça também é um empresário bem-sucedido. É dono de uma fortuna pessoal declarada de 13 milhões de reais e suas agências são responsáveis pelas campanhas de algumas das maiores empresas privadas do país, embora sua vocação principal seja mesmo o marketing político. Duda Mendonça, até pouco tempo atrás, era um referencial da combinação entre a genialidade e o empreendedorismo.

Essa imagem está desmoronando. Há cinco meses, o publicitário surpreendeu ao confessar que recebeu parte do pagamento pelos serviços da campanha de Lula através de depósitos clandestinos em uma conta secreta no exterior. Mas disse que só topou a maracutaia porque não havia outra maneira de receber o dinheiro. Na semana passada, VEJA revelou que as autoridades americanas descobriram e bloquearam uma outra conta secreta e milionária que o publicitário mantinha nos Estados Unidos. Duda, dessa vez, não quis se explicar. À medida que avançam as investigações sobre os negócios do mais famoso publicitário do país, fica evidente que o empresário Duda Mendonça não é aquele que apareceu na CPI, chorou e tentou convencer os parlamentares de que foi vítima de um sistema eleitoral corrupto. O verdadeiro Duda Mendonça é personagem forjado nesse mundo. Ele está envolvido com superfaturamento de contratos com órgãos públicos, remessas ilegais de dinheiro para o exterior, contas secretas em paraísos fiscais, sonegação de impostos e crime eleitoral. Pode-se creditar à sua genialidade a invenção de uma nova categoria da propaganda – o marketing bandido. É nessa modalidade que ele é um grande especialista.

A CPI que investiga a corrupção no governo vai enviar nesta semana aos Estados Unidos um grupo de parlamentares com a missão de obter os extratos bancários da nova conta do publicitário, descoberta no fim do ano passado em Miami. Os deputados e senadores decidiram agir à revelia das autoridades, em tese, encarregadas de tomar as providências imediatas. Só na semana passada, dois meses depois que as autoridades americanas flagraram a filha de Duda, Eduarda, tentando zerar a conta, é que o Ministério Público Federal pediu o bloqueio definitivo. Estranhamente, ninguém sabia de nada. A Polícia Federal disse que não foi informada. O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, afirma ter sabido do caso após a publicação da reportagem de VEJA. A coordenadora-geral do Departamento de Recuperação de Ativos e Cooperação Jurídica Internacional, Wanine Lima, que havia declarado, na última semana, ter tomado todas as providências cabíveis, ao que tudo indica esqueceu até de avisar o próprio chefe, o ministro Thomaz Bastos. Diante desse festival de leniência com Duda, os parlamentares decidiram agir por conta própria. "O governo está blindando o Duda. É um absurdo a gente ficar sabendo de uma coisa dessas pela imprensa", diz o deputado Eduardo Paes, um dos mais ativos integrantes da CPI, que estuda convocar o publicitário para um novo depoimento à comissão.

Revista Consultor Jurídico, 16 de janeiro de 2006, 16h42

Comentários de leitores

12 comentários

É preciso lembrar que a revista "VEJA"(o Grupo ...

Galvão (Outros)

É preciso lembrar que a revista "VEJA"(o Grupo Abril)é hoje o braço da Organização Cisneros da Venezuela no Brasil. Para quem não sabe, o Gustavo Cisneros é o todo poderoso dono da maior holding de comunicação da América Latina, dono da AOL, Venevisión, Univisión e grande opositor de Chaves na Venezuela. E com certeza o projeto é derrubar o Lula aqui, para facilitar a derrubada do Chaves lá.

Esse Duda Mendonça........eu não sei como ele t...

Lu2007 (Advogado Autônomo)

Esse Duda Mendonça........eu não sei como ele tem coragem de levantar todo dia e se olhar no espelho. Além de assassino de animais, dá carteirada sem o mínimo constrangimento ( vc sabe com quem está falando?) e agora vai processar a Veja pq a revista esta noticiando as coisas que este Sr. Duda anda fazendo neste governo mais do que corrupto. Eu tô cheia de tanta corrupção, de tanta gente se dando bem às custas dos nossos impostos...eu tô realmente querendo ver punição para estes indivíduos. Ah!!! E ainda tem que ocntar com o STF......que este Tribunal também anda num estado lamentável.....!!!É inacreditável!!!! Este bando do PT não convive harmoniosamente com a Democracia. Quando era oposição as noticias eram bem-vindas. Agora que a noticia é sobre eles , ela não é mais bem-vinda. Santa Paciência!!!!

Coitado do Brasil, quinhentos anos e cada vez m...

Hilda Leal (Funcionário público)

Coitado do Brasil, quinhentos anos e cada vez mais explorado. Primeiro os índios e as riquezas naturais, agora o povão, cada dia mais ignorante e sem futuro. Ah! Esse DUDA é um Mend ONÇA!DEUS NOS ACUDA!!!!

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 24/01/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.