Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Volta à advocacia

Márcio Thomaz Bastos deixará Ministério da Justiça no fim do ano

“Quatro anos é bastante e o Brasil tem uma safra de advogados e juristas brilhantes para ocupar o Ministério.” A frase é do ministro Márcio Thomaz Bastos, ao declarar que deixa o Ministério da Justiça no fim do governo Lula, independentemente do resultado das eleições.

A afirmação foi feita depois da abertura do 12º Seminário Internacional de Ciências Criminais, que acontece em São Paulo desta terça-feira (29/8) até sexta. O evento é promovido pelo IBCCrim — Instituto Brasileiro de Ciências Criminais.

O anúncio do ministro confirma a notícia divulgada há cinco dias pela jornalista Mônica Bérgamo, na Folha de S.Paulo. “Para quem duvida que ele vá mesmo sair do governo, caso Lula ganhe a eleição: Márcio Thomaz Bastos, ministro da Justiça, já alugou escritório na avenida Faria Lima, em SP, para montar seu futuro escritório de advocacia”, escreveu Mônica.

Revista Consultor Jurídico, 29 de agosto de 2006, 13h03

Comentários de leitores

6 comentários

Já vai tarde!!!

Lu2007 (Advogado Autônomo)

Já vai tarde!!!

Mas o pais não evolui? Agora que ficou bom vai ...

Bira (Industrial)

Mas o pais não evolui? Agora que ficou bom vai sair? Não entendi.

Enquanto a PF, subordinada ao Ministério da Jus...

Comentarista (Outros)

Enquanto a PF, subordinada ao Ministério da Justiça e ao Governo Federal, prendeu até Presidentes de Tribunal de Justiça e de Assembléia Legislativa, em SP, competentes funcionários do picolézinho de chuchu e seus companheiros do PSDB/PFL, segundo várias reportagens a respeito, negociaram com o Marcola o fim dos ataques do PCC. E depois tem gente "indignada" com a certeza cada vez maior de que o Lulinha será reeleito ainda no primeiro turno e o picolézinho amargará uma das mais vexatórias derrotas da história da república... Por que será, né?!?

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 06/09/2006.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.