Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Defasagem salarial

Advogados da União pressionam para reajuste de salário

Advogados e defensores públicos da União entregaram nesta quinta-feira (24/11) ao presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Nelson Jobim, cópia de documento no qual pedem que os presidentes dos três Poderes apóiem o encaminhamento de anteprojeto de reajuste de remuneração dessas carreiras ao Congresso Nacional. A proposta está sob análise do Ministério do Planejamento desde maio.

A mobilização nacional dos advogados e defensores públicos começou no final de setembro. Eles alegam haver defasagem salarial em relação a outras carreiras jurídicas em nível federal e estadual, o que tem provocado uma evasão dos quadros, em razão dos salários. E também reclamam por instalações precárias e escassez de material de trabalho.

“Temos perdido cerca de 10 ou 15 advogados públicos por dia, que acabam migrando para o Ministério Público e, às vezes, até para as defensorias dos Estados e do Distrito Federal, em que as remunerações e condições de trabalho são melhores”, afirmou o presidente da Anauni — Associação Nacional dos Advogados da União, José Wanderley Kozima.

O presidente da associação explicou que, até a década de 90, os advogados públicos ganhavam mais que os juízes e membros do Ministério Público, mas atualmente recebem cerca da metade da remuneração dessas carreiras. A idéia da categoria é que, ao longo de quatro anos, fazer com que a diferença salarial seja de apenas 10%. Hoje, o salário inicial de um advogado da União é de R$ 8 mil.

Participaram da audiência no gabinete do ministro Jobim os presidentes da ADPU — Associação dos Defensores Públicos da União, da Anajur — Associação Nacional dos Membros das Carreiras da Advocacia Geral da União, da Anauni — Associação Nacional dos Advogados da União, da Anpaf — Associação Nacional dos Procuradores Federais, da Anprev — Associação Nacional dos Procuradores Federais da Previdência Social, da Apaferj — Associação dos Procuradores Federais no Estado do Rio de Janeiro, do Sinprofaz — Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda Nacional e do Sinproprev — Sindicato Nacional dos Procuradores da Previdência Social.


Revista Consultor Jurídico, 24 de novembro de 2005, 19h50

Comentários de leitores

6 comentários

Ótimo o comentário do companheiro advogado fmds...

Manofarias (Estudante de Direito)

Ótimo o comentário do companheiro advogado fmdsouza. Suscinto, direto, franco e totalmente real. Além do disse, não podemos esquecer os supersalários do senado e da câmara que são uns absurdos! Em nosso país de miseráveis e com milhões de famílias com menos do que um salário mínimo. Mas quem se importa com isso né!! Afinal quem não gosta de um aumento. E aproveitando que o governo tá fraco. Tinta neles! Ops.. ou melhor. Tinta em nós, contribuintes!!

Ótimo o comentário do companheiro advogado fmds...

Manofarias (Estudante de Direito)

Ótimo o comentário do companheiro advogado fmdsouza. Suscinto, direto, franco e totalmente real. Além do disse, não podemos esquecer os supersalários do senado e da câmara que são uns absurdos! Em nosso país de miseráveis e com milhões de famílias com menos do que um salário mínimo. Mas quem se importa com isso né!! Afinal quem não gosta de um aumento. E aproveitando que o governo tá fraco. Tinta neles! Ops.. ou melhor. Tinta em nós, contribuintes!!

A advocacia pública como um todo é bastante des...

Alan (Procurador Autárquico)

A advocacia pública como um todo é bastante desprestigiada em relação à vencimentos. Se para os advogados da União a coisa já não é boa, que dirá para os advogados públicos dos estados e municipios deste pais. É fato que o respeito com as categorias, principalmente no meio jurídico, advém não com o desempenho e trabalho mas com o holeirte. Deveria haver uma paridade entre as carreiras jurídicas para eliminar algumas discriminações veladas e seladas com tapinhas nas costas.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 02/12/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.