Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Encontro marcado

D´Urso sugere frente contra abusos da Polícia Federal

A Fiesp — Federação das Indústrias do Estado de São Paulo reúne nesta segunda-feira (18/7), representantes da sociedade civil para tratar das recentes operações da Polícia Federal. Também participa do encontro o presidente da OAB-SP, Luiz Flávio Borges D´Urso. O presidente da seccional paulista da Ordem quer criar uma “Frente contra o Arbítrio”, para atuar com medidas judiciais contra os excessos da PF.

“Queremos a sociedade civil organizada, queremos a observância da lei e estamos propondo a constitução de uma Frente da Legalidade contra o Arbítrio. A lei no Brasil é igual para todos e dentro Estado Democrático de Direito é possível apurar, processar e punir, sem abusos de qualquer ordem”, considera o presidente da seccional paulista da OAB.

Segundo D'Urso, é necessário criar a Frente contra o Arbítrio, que pode atuar de forma efetiva, com medidas judiciais para dar respostas a todos os excessos que constatar e que vem indignando o país. “Seria uma Frente das forças vivas da sociedade em defesa da legalidade, da Constituição Federal e do Estado Democrático de Direito”, diz.

A reunião na Fiesp está sendo organizada pela Federação das Indústrias, pela OAB SP e pela Associação Comercial, entre outras entidades.

Revista Consultor Jurídico, 18 de julho de 2005, 10h41

Comentários de leitores

3 comentários

Foram pelo menos 23 mortos na chacina ocorrida ...

Santino (Estudante de Direito)

Foram pelo menos 23 mortos na chacina ocorrida em 31 de março desse ano na Baixada Fluminense. E quantos morrem assassinados no dia a dia, principalmente, das grandes cidades vítimas de marginais ou maus policiais? Banestado? Contas CC5? Compras de bilhetes premiados das loterias oficiais para lavagem de dinheiro, e tantas outras lavagens! Cadê a OAB e a FIESP? Se houve realmente abuso de poder nos casos da Daslu e dos escritóris de advocacia (embora não acredito - nunca funionou assim no Brasil, o porrete sempre foi para pobre, negro e prostituta), deixemos que eles se defendam no âmbito do Judiciário. Eles têm todos os meios necessários e muito eficientes para se defenderem. A FIESP e principalmente a OAB deveriam poupar suas energias para a defesa dos mais necessitados (utopia!). A verdade é que aqueles que detêm poder de alterar a situação jurídica, normalmente a elite econômica e política, quando se sentem incomodados, independentemente de estarem ou não corretos, se utilizam desse poder para permanecerem no braço forte da balança. É exemplo disso os projetos que tramitam no Congresso Brasileiro para diminuir ou impedir a atribuição investigatória do Ministério Público. Quem tem medo disso? O seu Zé que tem uma birosca na esquina? Dona Maria vendedora de pastel da feirinha? A verdade é que as coisas nesse país só irão melhorar com investimento em educação para as classes menos favorecidas. Todos irão ganhar, seja o seu Zé ou o seu Arnold Bithencourt Fhransh Qualquer Coisa em Inglês(o nome foi inventado, qualquer semelhança de identidade com outra pessoa terá sido mera coincidência). É isso.

Contrabando na 25 de março: polícia desmontando...

Rodrigo Pedrini Marcos (Assessor Técnico)

Contrabando na 25 de março: polícia desmontando barracos de camelôs, apreendendo mercadorias, e ninguém fala nada. Contrabando na Daslu: polícia faz operação, apreende mercadorias e o Estado de Direito está ameaçado! Será que o grau de ameaça ao Estado de Direito é inversamente proporcional ao saldo bancário daquele que é investigado?

É perfeita a posição do ilustre presidente da O...

Gilberto Aparecido Americo (Advogado Autônomo - Criminal)

É perfeita a posição do ilustre presidente da OAB/SP. Todo e qualquer abuso praticado deve ser de imediato levado ao conhecimento e julgamento do Poder Judiciário. É o procedimento usual em estados democráticos. Gilberto Aparecido Américo advogado

Comentários encerrados em 26/07/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.