Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Reação geral

Juízes federais repudiam acusações feitas por Medeiros

A Associação dos Juízes Federais do Brasil -- Ajufe enviou nota à imprensa em repúdio às declarações do deputado federal Luiz Antonio de Medeiros (PL-SP). Ele disse que "metade dos juízes federais em São Paulo está comprometida com o crime organizado e 40% dos quadros paulistas da Polícia Federal são corruptos". A afirmação foi feita no seminário “O Brasil contra a pirataria”, promovido pela Fiesp.

De acordo com a entidade, o deputado “falta com a verdade e produz uma acusação sem qualquer base em provas ou indícios”. Para a Ajufe, a declaração de Medeiros, além de não condizer com a realidade, tem o objetivo de desacreditar e manchar a imagem do Judiciário brasileiro “perante a opinião pública, da Justiça Federal e dos Juízes Federais”.

A afirmação foi publicada nesta segunda-feira (11/4) na coluna do jornalista Giba Um. De acordo com a nota, o embaixador americano John Danilovich, presente ao evento, chegou a ajustar o fone de ouvido, imaginando que havia entendido mal a tradução.

Leia a íntegra da nota

A Associação dos Juízes Federais do Brasil - AJUFE vem a público repudiar as declarações do Deputado Luis Antônio de Medeiros (PL-SP), proferidas no seminário O Brasil contra a pirataria, promovido pela Federação das Indústrias de São Paulo, no qual afirmou que "metade dos juízes federais em São Paulo está comprometida com o crime organizado e 40% dos quadros paulistas da Polícia Federal são corruptos".

O pronunciamento, divulgado na coluna do jornalista Giba Um de 11 de abril de 2005, foi presenciada por inúmeras autoridades, inclusive pelo embaixador americado John Danilovich.

O Deputado Luis Antônio de Medeiros simplesmente falta com a verdade e produz uma acusação sem qualquer base em provas ou indícios. Esta acusação de corrupção generalizada não condiz com a realidade e tem o condão, de outro lado, de desacreditar e manchar a imagem do Poder Judiciário em seu todo, com o desnecessário e perigoso enfraquecimento, perante a opinião pública, da Justiça Federal e dos Juízes Federais.

Em São Paulo, pelo trabalho diário de mais de 250 magistrados federais, julga-se um acervo de aproximadamente metade das causas federais do país em mais 30 Fóruns Federais, com 150 Varas Federais em funcionamento e inúmeros Juizados Especiais Federais, milhares de sentenças e despachos são proferidos por mês em demandas cíveis, criminais, previdenciárias, tributárias, etc.

A AJUFE também possui atuação destacada no combate à pirataria e ao crime organizado. Exemplo isso foi a realização, em dezembro de 2004, na cidade de Foz do Iguaçu, do primeiro seminário internacional de juízes de fronteira. Entre os apoiadores do evento, encontrava-se o ETCO - Instituto Brasileiro de Ética Concorrencial, presidido pelo empresário Emerson Kapaz. Ele publicamente declarou que "o diálogo com a Associação Nacional dos Juízes Federais contribui para construir uma visão objetiva do problema da ilegalidade".

Pela atuação sempre destacada e corajosa dos juízes federais, complementada pelo papel institucional da AJUFE, tornamos público o repúdio à manifestação de existência generalizada de corrupção no Judiciário Federal feita pelo Deputado Federal Luis Antônio de Medeiros no evento em epígrafe.

Jorge Antônio Maurique

Presidente da AJUFE

Revista Consultor Jurídico, 12 de abril de 2005, 18h52

Comentários de leitores

1 comentário

É necessário acabar com essa asquerosa imunidad...

Francisco Lobo da Costa Ruiz - advocacia criminal (Advogado Autônomo - Criminal)

É necessário acabar com essa asquerosa imunidade parlamentar. Essa garantia, infelizmente, não pode mais ser mantida em razão de uso indevido do direito de falar, transformado em direito de expelir dejetos (data maxima venia). Para não prejudicar a grande maioria, responsável e conscia de sua missão, ao menos deveriam os parlamentares isolar certos (...censurado...), levando-os ao órgão censor sempre que impropérios entrassem em circulação. Além disso, tem muito roto falando de rasgado.

Comentários encerrados em 20/04/2005.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.