Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Greve da Justiça

Greve dos servidores da Justiça paulista é ilegal, afirma Vidigal.

O presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Edson Vidigal, disse que a greve dos servidores do Poder Judiciário de São Paulo é ilegal e fez um apelo para que o sindicato que representa a categoria defenda a volta imediata ao trabalho. Para o ministro, manter uma greve, que já dura 77 dias, traz sérios prejuízos para a sociedade.

"Quero, como brasileiro, fazer um apelo para que voltem ao trabalho. Hoje, o Judiciário de São Paulo está parado", disse o ministro Vidigal. Segundo ele, a administração do Tribunal de Justiça paulista age corretamente ao propor o desconto dos dias parados.

Ele avaliou que, mesmo que os servidores retornem ao trabalho nas próximas horas, serão necessários meses para colocar os processos em dia. O ministro Edson Vidigal acha que o que deve ser feito é negociar sem que se interrompam as atividades.

As afirmações do ministro foram feitas nesta segunda-feira (13/9), depois de dar palestra para magistrados angolanos e brasileiros na sede do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, sediado na capital paulista.

Durante a palestra, o ministro disse aos angolanos -- que estão buscando um modelo para Justiça do país -- que o Brasil, a seu ver, não é dos melhores exemplos, pois tem a Justiça estadual e a federal. Na palestra o ministro voltou a comentar sobre a criação das varas federais agrárias e sobre o esforço para a instalação das 183 varas federais já aprovadas.

Revista Consultor Jurídico, 13 de setembro de 2004, 21h21

Comentários de leitores

27 comentários

O concurso para o ingresso na magistradura é ab...

Emerson Watanabe ()

O concurso para o ingresso na magistradura é aberto aos servidores,quemdiz o direito deve ter capacidade juisdicional.Qualquer decisão contra os servidores é vista como ilegal,inconstitucional,imparcial. Caros servidores doutrinadores do direito porque vocês não usaram esta incrivel capacidade juridica para fundamentar os mandados de segurança.Visto que inúmeros servidores são bacharéis espero encontrar seus nomes ns listas de aprovação do concurso para a magistradura,certamente vai faltar vaga para juiz.Não sabia que furar,carimbar e entregar papéis proporcionava ao funcionário qualidades de jurisconsultos.

Uma vez mais, vamos parar com as ofensas.. ao v...

Jose Carlos Moreira (Advogado Assalariado - Administrativa)

Uma vez mais, vamos parar com as ofensas.. ao verdadeiros colegas servidores, NÃO retruquem ofensas ou criicas..uma vez que todo ser humano com um minimo de inteligencia e bom senso sabe as nossas condições de trabalho e o porque dessa bagunça toda.. Quanto ao insucesso dos MS, ao contrario da ação da OAB, não foi julgada com a devida imparcialidade... Ou vcs discordam? A OAB e alguns advogados equivocaram-se e partiram para uma briga que não é deles.. Nao vamos brigar com os advogados, muito menos com a OAB.. Nossa patrão é o Estado, que deveria refletir o povo.. mas infelizmente isso não ocorre.. Lógico que há exceções....

O Presidente do Superior Tribunal de Justiça de...

Rubão o semeador de Justiça (Advogado Autônomo)

O Presidente do Superior Tribunal de Justiça deveria também dizer, se é legal o comportamento da omissa presidência do TJSP que tem a exclusividade na iniciativa de Projeto de Lei nº 479/04, que concede 26,39% aos servidores em greve. Aliás, desde abril deste ano o Órgão Especial, lastreado em parecer da Comissão Permanente de Orçamento do TJSP, autorizou tal reajuste... A greve é grave pela omissão das autoridades em conceder direitos aos trabalhadores, e não como disse certo Presidente DÚRSO, ontem em discurso na inauguração das salas das entidades no Fórum Rui Barbosa: "...nós advogados estamos prejudicados, por movimento grevista de servidores que mal ganham R$ 1.500,00..." Ë o pior de tudo, é que a claque do reacionário Presidente o aplaude num clímax de falsidade e inconseqüência.

Ver todos comentários

Comentários encerrados em 21/09/2004.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.