Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Expectativa alta

OAB-SP apóia portaria que limita comissões de conciliação prévia

A OAB-SP considera que a Portaria nº 329, do Ministério do Trabalho, é uma vitória contra as irregularidades registradas dentro das Comissões de Conciliação Prévia. Pela nova Portaria, o art. VII, admite ressalvas no Termo de Conciliação, de modo a garantir direitos.

Para o secretário geral da entidade, Valter Uzzo, a portaria impede abuso das comissões que se tornaram uma porta aberta à fraude, principalmente, quanto à homologação de rescisões contratuais. Ele lembrou que a homologação deveria ser feita nos sindicatos ou nas Delegacias Regionais do Trabalho. "Nosso objetivo era evitar que as sessões das comissões se transformassem em locais de coação dos trabalhadores", afirmou.

O conselheiro da OAB-SP, João José Sady, disse que a iniciativa do Ministério do Trabalho de publicar a portaria veio organizar e normatizar uma situação preocupante. Ele afirmou que as comissões estavam sendo transformadas em "balcão de homologações" sem fiscalização e controle. "É claro que a Justiça precisa ser ágil e

as Comissões de Conciliação podem ser eficientes, desde que atuem de forma transparente , afirmou

Com a portaria, as comissões de conciliação terão de comunicar ao

setor de relações do Trabalho das Delegacias Regionais do Trabalho seu local de funcionamento e composição. Além disso, as comissões precisam informar o início das atividades e os documentos produzidos durante o processo de conciliação deverão ser guardados pela comissão pelo período cinco anos.

A portaria determina ainda que a Comissão de Conciliação Prévia constituída no âmbito do sindicato tenha sua constituição e funcionamento definidos em convenção ou acordo coletivo. Já a instituída no âmbito da empresa terá seus representantes escolhidos por eleição e será fiscalizada pelo sindicato. Em nenhum dos casos, elas podem constituir fonte de renda, conforme Art. 10.

Uzzo disse que algumas comissões cobravam R$ 150,00, a título de postagem. "Outras cobram percentuais de 5% a 20% , além de taxas de emolumentos cartoriais para expedir o Termo de Conciliação", afirmou.

A portaria estabelece também que os membros da comissão não podem receber remuneração ou gratificação com base nos acordos firmados.

Revista Consultor Jurídico, 19 de agosto de 2002, 18h40

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 27/08/2002.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.