Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Programa censurado

Autor de livro contra ACM tem entrevista cancelada na TVE

O Observatório de Imprensa, da TVE do Rio de Janeiro, suspendeu o programa que iria levar ao ar nesta terça-feira (6/2), às 22h30, ao vivo. O programa iria tratar do livro "Memórias das Trevas - uma Devassa na Vida de Antonio Carlos Magalhães", do jornalista e escritor João Carlos Teixeira Gomes.

A suspensão foi anunciada pelo próprio apresentador do programa, o jornalista Alberto Dines, em telefonema ao autor do livro às 13 horas de hoje. Segundo João Carlos Teixeira Gomes, Dines informou constrangido que não faria o programa, já que a TVE, que a partir de hoje passou a ser dirigida por Fernando Barbosa Lima, teria sido pressionada pela TVE da Bahia (do governo estadual) a não tratar do assunto. "Memórias da Trevas" foi dedicado pelo autor ao jornalista Barbosa Lima Sobrinho, já falecido, pai de Fernando Barbosa Lima.

"É o fato mais grave que já ocorreu em minha carreira jornalística", afirmou João Carlos Teixeira Gomes. "Principalmente porque o Observatório de Imprensa vinha sendo um quartel general da liberdade de expressão".

O editor Luiz Fernando Emediato, da Geração Editorial, responsável pelo lançamento do livro, que havia sido entrevistado para o programa, em vídeo teipe gravado pela TV Cultura, de São Paulo, se disse "escandalizado" e que está examinando alguma medida judicial para o caso.

Leia a entrevista de João CarlosTeixeira Gomes, distribuída pela assessoria de imprensa da Geração Editorial:

Como você ficou sabendo que o programa não iria mais ao ar?

Soube ao ligar para a produção por volta das 13 horas de hoje e ser informado que haviam tido problemas e o programa havia sido suspenso. Meia hora depois, o Alberto Dines me ligou, logo após sair de uma reunião com a nova direção da emissora. Constrangido, mas em uma atitude digna de assumir a responsabilidade, ele me informou que o programa não iria ao ar porque a TV do Estado da Bahia havia pressionado para tal, e que isso poderia prejudicar a emissora.

O que esse fato representa para você?

Nunca poderia imaginar que um programa com o conceito e a independência que tem o Observatório da Imprensa poderia se curvar à censura. O fato é estarrecedor, já que o próprio site do Observatório deu há alguns dias uma das reportagens mais completas sobre o livro. Eu já estava pronto para abrir minha participação no programa dizendo me sentir orgulhoso por estar em uma trincheira da liberdade de imprensa.

Trata-se de mais um capítulo das trevas?

Exatamente. Foi como tomar um nocaute. Falei para o Dines por telefone que só poderia tratar-se de um trote. Jamais imaginei que já tão longe da ditadura de 64, no início do terceiro milênio, com o Brasil em uma democracia formal, isso pudesse acontecer, sobretudo em uma cidade como o Rio de Janeiro. Percebi que ainda estamos em uma época de trevas.

Revista Consultor Jurídico, 6 de fevereiro de 2001, 0h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 14/02/2001.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.