Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

STF abre mão de benefício

Ministros do STF abrem mão do benefício concedido aos juízes

Os ministros Supremo Tribunal Federal (STF) vão abrir mão do recebimento do auxílio-moradia de até R$ 3 mil, concedido aos juízes para evitar o movimento grevista.

O próprio ministro Nelson Jobim - responsável pela liminar - que deu ares de legitimidade ao pedido, negou-se a aceitar o benefício.

Nesta terça-feira (29/2), a questão será discutida em sessão administrativa. Oito dos onze ministros da Corte querem tirar satisfações com a decisão tomada sem seu conhecimento.

A liminar que autoriza o pagamento do auxílio-moradia aos juízes foi anunciada no domingo pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Carlos Velloso.

A atitude foi adotada na análise mandado de segurança impetrado pela Ajufe, em setembro passado. Na ação, os juízes reivindicavam o direito ao recebimento do mesmo benefício que é pago aos parlamentares.

Exceto os ministros Jobim, Velloso e Marco Aurélio, os demais estão entre constrangidos e indignados.

Motivos não faltam. A legislação em vigor veda liminares em mandados de segurança que tratem de benefícios remuneratórios.

Pedidos feitos por entidades de classe, por sua vez, só podem alcançar os associados dessas entidades.

A Constituição fixou que o teto do funcionalismo deve ser fixado em projeto de autoria conjunta dos presidentes da República, do STF, da Câmara e do Senado.

Jobim, no entanto, invadiu as funçõs do Legislativo ao fixar a quantia de R$ 12.720,00. Esse valor não resiste a uma primeira análise.

Como a remuneração básica de um ministro do STF é de R$ 8 mil e muitos deles têm oito quinquênios acumulados, seu vencimento chega a cerca de R$ 11 mil. Somados os R$ 3 mil do tal auxílio-moradia, incorporados como verba remuneratória, chega-se a R$ 14 mil. Mais o "jeton" de R$ 1.920 dos ministros que fazem hora-extra no TSE, totaliza-se R$ 15.920.

Por serem parcelas admitidas pacificamente como regulares, elas compõem uma muralha sólida diante do frágil e precipitado teto arbitrado por Jobim.

E é por essa imprudência que o ministro terá de responder hoje aos seus indignados colegas.

Revista Consultor Jurídico, 28 de fevereiro de 2000, 0h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 07/03/2000.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.