Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Sociedades tem pagamento fixo

Sociedades de advogados devem pagar ISS fixo

Depois de seis anos de disputa na Justiça, as sociedades de advogados conseguiram garantir no Supremo Tribunal Federal o direito de pagar um valor fixo de ISS e não um percentual sobre o faturamento da casa. Com a decisão, cairão por terra as multas que diversas prefeituras vinham aplicando, diante da resistência das sociedades de advogados em pagar ISS sobre seus honorários.

A decisão que beneficia todas as demais sociedades profissionais foi uma vitória do Centro de Estudos das Sociedades de Advogados (Cesa) e dos Sindicatos de Sociedades de Advogados, em especial o do Rio de Janeiro - que teve seu representante, o advogado Jorge Salluh à frente do combate.

Por unanimidade, os ministros do STF entenderam que os municípios não podem alterar a base de cálculo das sociedades profissionais em geral, e, em especial, das sociedades de advogados.

A decisão foi tomada nesta quarta-feira (26/5). Tecnicamente, o plenário da Corte decidiu que Constituição Federal de 1988 recepcionou o Decreto-Lei 406/68.

Na opinião de Jorge Salluh, diretor do Departamento de Assistência às Sociedades de Advogados (Dasa/OAB-RJ), a base de cálculo poderia ser fixa ou variável, "porém nunca em função da remuneração do trabalho pessoal prestado pelos integrantes das sociedades profissionais". Para o diretor, como os integrantes já são tributados pelo imposto de renda, ocorreria bitributação.

Segundo Salluh, os desentendimentos em torno da questão começaram depois da promulgação da Emenda Constitucional 3/93, que determinou que a base de cálculo do ISS poderia ser reduzida pelos municípios. Com a Emenda, – explica Salluh – o Rio de Janeiro revogou o artigo 29 do Código Tributário Municipal.

Esse artigo reproduzia o teor do parágrafo 3º, do art. 9.º, do Decreto 406/68 e "previa que as sociedades profissionais, ali listadas, somente poderiam ser tributadas a título de ISS, em valores fixos, como acontece com os profissionais autônomos".

Outros municípios como Curitiba, Belo Horizonte e Fortaleza tomaram a mesma atitude que o Rio. O diretor do Dasa disse que "a cidade de São Paulo está recadastrando as sociedades profissionais, a fim de determinar se as mesmas devem ou não recolher o ISS como as demais sociedades prestadoras de serviço". O recolhimento das prestadoras de serviço é de 5% sobre os serviços realizados. No caso das sociedades de advogados esse percentual seria calculado sobre os honorários.

Jorge Salluh afirmou que os ministros foram unânimes também em mandar a matéria ao exame do Pleno, para fixar jurisprudência sobre o assunto. Para o diretor, com a decisão do STF os quase 90 recursos pendentes devem seguir a mesma linha dessa decisão, que foi proferida em favor de uma sociedade de advogados de Curitiba e de uma empresa de projetos de Belo Horizonte.

Resta tentar uma resolução com o município do Rio, "cujos procurador-geral e secretária municipal de Fazenda sempre foram contrários a qualquer entendimento amigável com as sociedades de advogados", concluiu Salluh.

Revista Consultor Jurídico, 28 de maio de 1999, 0h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 05/06/1999.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.