Consultor Jurídico

Ex-procurador-geral da Fazenda se junta à banca Figueiredo e Velloso

3 de julho de 2023, 16h23

Por Redação ConJur

imprimir

O advogado Ricardo Soriano de Alencar é o novo sócio responsável pelas áreas de Direito Público e Tributário do escritório Figueiredo e Velloso Advogados.

Reprodução
Ricardo Soriano foi procurador-geral da Fazenda Nacional
Reprodução

Ex-procurador-geral da Fazenda Nacional (2020-2022), Soriano uniu-se ao escritório após 25 anos de carreira pública. Foi procurador da Fazenda Nacional durante duas décadas, atuando também como procurador-geral adjunto da instituição (2009 a 2015 e de 2016 a 2020). Antes disso, foi procurador federal. 

O movimento faz parte da estratégia da banca de fortalecer sua atuação nos diversos ramos do direito empresarial, englobando as necessidades de sua clientela de forma abrangente.

“Para mim é uma grande alegria associar-me ao Figueiredo e Velloso Advogados, um escritório reconhecido pela atuação dinâmica, sempre ágil e de excelência de seus profissionais. Estou animado em contribuir para a expansão das áreas de Direito Público e Tributário, atendendo às demandas dos clientes de forma estratégica e global”, afirma Soriano.

“Estamos muito felizes em contar com um profissional como o Ricardo Soriano para fortalecer e ampliar a atuação do Figueiredo e Velloso em Direito Público e Tributário. Seu nome é amplamente reconhecido pela competência e seriedade, também corroborada pela trajetória sólida na carreira pública”, afirmam Ticiano Figueiredo e Pedro Ivo Velloso, sócios fundadores do Figueiredo e Velloso Advogados.

Ao longo de sua carreira, Soriano integrou conselhos de administração de diversas empresas, como Petrobras, Banco do Nordeste, Terracap (Companhia Imobiliária de Brasília) e Caixa Econômica Federal, na qual também foi membro do conselho fiscal.

Participou da comissão de juristas instituída, de forma conjunta, pelo Senado e o Supremo Tribunal Federal, para elaborar anteprojetos de leis para modernizar o processo administrativo e tributário nacional. Como procurador-geral da Fazenda Nacional, contribuiu, no âmbito do Executivo, com debates e análises sobre a reforma tributária.