Consultor Jurídico

Bem de família

Autor da ação deve provar que imóvel não é bem de família, decide TST

Cabe ao autor da ação de execução, e não à parte contrária, provar que um imóvel não é bem de família e indicar outros bens para penhora. O entendimento é da 6ª Turma do Tribunal Superior do Trabalho, que impediu que o imóvel de um sócio da empregadora Varella Segurança e Vigilância Patrimonial Ltda., de Belo Horizonte, fosse bloqueado após a propriedade ter sido indicada como bem de família — e, portanto, livre de penhora. 

Sócio de empresa condenada não precisa fazer prova negativa de propriedade de outros imóveis
Liountmila Korelidou

Para o colegiado, o ônus de provar que o imóvel a ser penhorado não constitui bem de família é do autor da ação de execução, um vigilante patrimonial, e não de quem está sendo executado.

Entenda o caso 
O sócio da empregadora (executado) anexou aos autos as certidões de registro de imóveis e diversos comprovantes de residência para pedir a anulação da penhora, com base na Lei 8.009, de 1990. 

Segundo ele, foram incluídos também recibos de entrega do IRPF, contas de luz, IPTU, boletos de faculdade e certidões de indisponibilidade de bens. O Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região (MG), contudo, não aceitou a demanda e manteve o bloqueio do imóvel.

De acordo com o TRT, o proprietário não teria comprovado que se tratava do seu único imóvel, usado pela família como moradia permanente. Além disso, as declarações de Imposto de Renda estariam incompletas, sem a parte relativa aos bens e direitos de propriedade.

Relator do recurso de revista do sócio, o ministro Augusto César afirmou que o Tribunal Regional atribuiu ao executado o ônus da prova de que o bem seria de família, propriedade que não podia ter sido penhorada. “A exigência de prova negativa da propriedade de outros bens imóveis é desprovida de razoabilidade e afeta a garantia de impenhorabilidade do bem de família”, afirmou.

Não é a primeira vez que o tribunal adota esse entendimento. Em casos similares, acrescentou o magistrado, o TST também já concluiu que o executado não tem de fazer prova negativa de propriedade de outros imóveis, já que cabe ao exequente (no caso, o vigilante patrimonial) provar que o imóvel não é bem de família. Com informações da assessoria do Tribunal Superior do Trabalho.

Clique aqui para ler a decisão
RR-1935-18.2010.5.03.0131




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 13 de maio de 2022, 21h42

Comentários de leitores

2 comentários

Penhora de bem de família

Jorge Marcelo Duarte Correa (Advogado Assalariado - Civil)

Esta aberração jurídica vem desde o tempo do Collor. Permite que is contumazes executados fiquem livre de honrar suas obrigações muitas vezes assumidas sabedores da impunidade legal.

Responder

Juizes ativistas sociais

João Peixoto (Advogado Sócio de Escritório - Trabalhista)

Enquanto juízes ativistas sociais de primeira e segunda instância não entenderem seu verdadeiro papel na sociedade e no Estado, coisas como essas continuarão a acontecer. Eles precisam entender que a Lei é a Lei; que juízes e o maldito "ENTENDIMENTO DO JUIZ" não é a lei, que eles próprios não são a lei. Veja o prejuízo que causaram ao executado e ao próprio reclamante que viu uma expectativa de direito frustrada pelo simples capricho e egocentrismo de um juiz de primeiro grau. Isso tem que acabar e essas arbitrariedades precisam ser reparadas mediante responsabilização direta do SERVIDOR PÚBLICO. Coitado do reclamante, ganhou mas não levou!!!

Responder

Ver todos comentáriosComentar