Consultor Jurídico

a partir da audiência

STJ anula ação penal por protagonismo de juíza na inquirição de testemunha

Por 

O magistrado não pode ser protagonista do ato de inquirição ou tomar para si o papel de primeiro questionador das testemunhas, pois compete às partes comprovar as alegações.

Sebastião Reis Júnior, relator do HCSTJ

Com esse entendimento, o ministro Sebastião Reis Júnior, do Superior Tribunal de Justiça, anulou um processo criminal a partir da audiência de instrução e determinou a renovação do ato.

O relator considerou que a juíza Margarete Pellizari, da 2ª Vara Criminal de Sorocaba (SP), atuou de forma exacerbada durante a audiência, e assim violou o artigo 212 do Código de Processo Penal. O dispositivo estabelece que as perguntas devem ser formuladas pelas partes à testemunha e atribui ao juiz a prerrogativa de complementar a inquirição, em pontos não esclarecidos.

O caso
Um homem foi condenado em segunda instância a 15 anos de prisão em regime inicial fechado, por extorsão mediante sequestro. O advogado Victor Hugo Anuvale Rodrigues, responsável pela defesa, lembrou que o Supremo Tribunal Federal já beneficiou o mesmo réu pela atuação da magistrada.

Isso porque o homem respondia a duas ações penais na vara de Sorocaba. Em uma delas, o STF, no último ano, reconheceu que a juíza causou prejuízo ao adotar protagonismo que era do Ministério Público na inquirição de testemunhas. Já o Habeas Corpus impetrado no STJ se refere a outra ação, na qual teria havido o mesmo comportamento.

Fundamentação
Com base na degravação do depoimento da vítima protegida, Sebastião observou que Margarete "protagonizou toda a audiência, perquirindo por
diversas vezes". Foram 257 questionamentos da juíza, contra 54 do MP e 53 da defesa técnica.

Para o ministro, a magistrada "não exerceu a indispensável equidistância durante a audiência de instrução e julgamento". Ele ressaltou que a "iniciativa probatória" da juíza deveria se restringir a esclarecimentos de questões ou pontos duvidosos sobre o material já trazido pelas partes.

"A separação entre as atividades de acusar e julgar não autoriza que o
juiz, em substituição ao órgão de acusação, assuma papel ativo na produção probatória, sob pena de quebra da necessária imparcialidade do Poder Judiciário", assinalou o relator.

Clique aqui para ler a decisão
HC 726.749




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 12 de maio de 2022, 7h47

Comentários de leitores

3 comentários

Justiça Louca

DJU (Advogado Sócio de Escritório - Civil)

Agora, para os excelsos juízes do STF e STJ, alegria dos advogados criminalistas e euforia dos criminosos, bons juízes não devem mais buscar o esclarecimento completo dos fatos. Estão em busca do juiz robô e detestam o juiz que se esforça para ser justo.

Responder

Cumplicidade

Advogado José Walterler (Advogado Autônomo - Administrativa)

Considerando o fato de que essa mesma magistrada é reincidente nesse fato ... dmv, creio que deve existir uma cumplicidade discretíssima em tais atos, envolvendo não só ela, mas ...! A desídia ministerial e a aceitação natural da defesa para, na hora oportuna, arguir a nulidade deixa muito a desejar. Ai tem muito tempero nesse caldo.

Responder

Quem vai responder pela impunidade?

Felipe Costa - Advogado Ceará (Advogado Autônomo - Trabalhista)

Fica clara a direta responsabilidade da juíza na nulidades das provas.

Violação direta ao sistema acusatório, à imparcialidade, à presunção de inocência e à paridade de armas.

Essa magistrada tem de passar por aperfeiçoamento profissional. Já são duas nulidades pelo mesmo motivo.

O MP também tem sua parcela de culpa, visto que se mantém silente diante de tamanha ilegalidade.

Responder

Ver todos comentáriosComentar