Consultor Jurídico

Conversão da preventiva

Defesa da mãe de Henry Borel pede prisão domiciliar após supostas ameaças

A defesa de Monique Medeiros, mãe do garoto Henry Borel, torturado e assassinado em março do último ano no Rio de Janeiro, pediu nesta sexta-feira (14/1) a conversão da sua prisão preventiva em domiciliar.

Imagens do garoto no colo de Monique pouco antes de sua morteReprodução

A pedagoga alega ter sofrido ameaças na prisão, após um advogado supostamente pedir para outra detenta "passar recados" a Monique. O advogado em questão seria amigo de uma advogada ligada ao seu ex-namorado e padrasto da criança, o ex-verador Dr. Jairinho, também denunciado e preso. As informações são do UOL.

A defesa de Monique pediu o desmembramento do processo, além de imagens da visita que recebeu da advogada Flávia Fróes, ligada ao ex-vereador, mas que não o representa oficialmente no processo. Nesta semana, Monique já havia acusado a advogada Flávia de tentar pressioná-la a assumir a culpa pela morte do filho.

A juíza Elizabeth Louro, responsável pelo processo, já ordenou que a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) repasse informações sobre o encontro e que o Ministério Público estadual se manifeste.

Segundo o relato da defesa de Monique, comandada pelos criminalistas Thiago Minagé e Hugo Novais, o advogado, identificado apenas como Fábio, teria lido em voz alta o pedido de desmembramento do processo a outra detenta, para que ela fizesse chegar recados à pedagoga. Os advogados de Monique temem que a cliente sofra "insultos físicos e/ou psicológicos".




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 15 de janeiro de 2022, 12h02

Comentários de leitores

2 comentários

Hobby Macabro

Professor Edson (Professor)

A periculosidade dessa "mãe" inviabiliza a concessão do HC, a pedagoga para viver na alta sociedade alimentava o predador (Jairinho) com seu próprio filho, em troca de bolsas importadas, roupas caras, viagens internacionais e carros de luxo ela aceitava toda tortura psicólogica e física que seu filho sofria, como já foi relatado a vítima era colocada dentro do quarto com o predador (Jairinho) e lá sofria um conjunto bem elaborado e macabro de torturas, até acontecer o óbito, com 23 lesões comprovadas, foram tantas agressões que era comum o menino deixar o quarto do predador (Jairinho) toda arrebentada, mancando e desolada, e a "mãe" sabia de tudo e fazia questão de alimentar o predador(Jairinho) diariamente, bastava o menino estar respirando para ser torturado, era um verdadeiro hobby macabro, com esse nível alto de periculosidade e desprezo para com a vida humana o melhor lugar é a cadeia, e se sofre ameaças deve ser transferida para outro presídio, ou outra ala.

Responder

Predador

Professor Edson (Professor)

Predador-
adjetivo substantivo masculino
1.
que ou aquele que preda.
2.
diz-se de ou ser que destrói outro violentamente.
3.
POR EXTENSÃO
que ou o que destrói o ambiente em que atua, ou os elementos dele (diz-se de qualquer agente).

Ver todos comentáriosComentar