Consultor Jurídico

Interesses privados

Ministro do TCU nega pedido de procurador fã de Moro para atuar em ação

O ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União, negou o pedido do procurador do Ministério Público de Contas, Júlio Marcelo de Oliveira, para participar como custos legis no processo que apura a relação de Sergio Moro com a consultoria Alvarez & Marsal.

Oliveira buscava atuar no processo do TCU contra Moro 
Reprodução/Facebook

O procurador apresentou representação ao ministro Bruno Dantas, relator do processo, questionando a atuação do subprocurador-geral Lucas Furtado, do Ministério Público junto ao TCU, no caso e alegando que a competência para atuar no processo contra Moro é dele próprio.

Em sua decisão, Dantas lembrou que já tinha dito que apreciaria o requerimento de intervenção na qualidade de custos legis quando fosse oportuno, à luz de elementos que pudessem indicar interesse público que o justificassem.

Mas Júlio Marcelo de Oliveira protocolou uma segunda petição, sem que seu requerimento anterior tivesse sido apreciado. Por isso, o ministro chamou a atenção do procurador, dizendo que ele está tentando obstruir os trabalhos do TCU e causar tumulto processual, em processo que "nem de longe justifica a atuação de dois membros do MPTCU".

O ministro lembrou ainda que as razões apontadas por Marcelo são insuficientes para satisfazer os requisitos legais que justificariam a atuação de custos legis. "Enfatizo que simpatia pessoal ou convergência ideológica não se confundem com interesse público", concluiu.

Entusiasta da finada "lava jato", Oliveira coleciona postagens que exaltam o ex-juiz, agora político. Em uma delas, ele postou uma fotografia em que aparece ao lado de Moro; em outra, ele posa ao lado do ex-procurador Deltan Dallagnol. Em 2016, Oliveira se engajou na campanha a favor das "10 medidas contra corrupção", uma das principais bandeiras lavajatistas.

No Twitter, chamou Moro de "exemplo de magistrado e homem público" e disse que o ex-juiz "merece todas as homenagens". Quando da saída de Moro do Ministério da Justiça, afirmou na mesma rede social que o já oficialmente político é "um gigante que sempre se colocou a serviço do Brasil".  

Clique aqui para ler a decisão
TC 006.684/2021-1




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 12 de janeiro de 2022, 10h27

Comentários de leitores

2 comentários

Procurador

O ESCUDEIRO JURÍDICO (Cartorário)

Não foi esse "citizen" que denunciou uma mulher por ilegalidades, honesta e cumpridora de seus deveres, chamada Dilma Vana Roussef?

Ajudante do suspeito e incompetente

capixa (Administrador)

Enquanto não forem devidamente julgados, condenados e presos os traidores da pátria não desistirão de enriquecer com os recursos públicos.

Comentários encerrados em 20/01/2022.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.