Consultor Jurídico

Comentários de leitores

7 comentários

Direito fundamental à liberdade - que cada faça sua escolha

Víctor Castro (Advogado Sócio de Escritório - Trabalhista)

Vacina é pra sarampo, pólio, etc. Pra COVID-19 não existe vacina. O que está sendo entregue é um experimento que aumenta a defesa do organismo, tão somente isso.
E a ciência já provou que a imunidade natural é melhor do que a proteção da “vacina” (que não é vacina). São muitas contradições infelizmente. Esquecem muitos que há várias formas de lidar com a saúde e para cuidar do sistema imunológico existem muitas opções melhores do que uma “vacina” que em Israel já vai para 4a dose.
Não sabemos quais efeitos podem vir a longo prazo e a curto prazo já se observou que não é suficiente para impedir o vírus, apenas atenuá-lo. Sendo assim, não resiste a tese de sua obrigatoriedade e ainda que assim fosse vale lembrar que há várias formas de cuidar da Saúde. Que cada ser humano possa escolher a sua preferência. Agora se o Estado pretende escolher pelo cidadão, que se responsabilize por quaisquer reações adversas que possam ocorrer no futuro, pois se o indivíduo deve sacrificar seu livre-arbítrio em prol do coletivo, deve este ser recíproco se o indivíduo precisar de apoio. A não ser que o indivíduo tenha optado por livre espontânea vontade por tomar algo que entendeu ser melhor pra si. Por isso eu apoio à liberdade acima de tudo. Friso por fim que nessa questão de ciência há várias percepções contraditórias sobre algo ainda experimental. Afastar o passaporte em nada impede a senhora de 80 anos de se vacinar - isso é um artifício barato para apelar no emocional do leitor. Obrigar a senhora a tomar uma vacina experimental isso sim é abusivo. Ou será que as farmacêuticas nunca foram condenadas por terem produzido remédios prejudiciais à saúde? Isso com todo rigor científico, imaginemos então em caráter emergencial.

De fato existem algoritmos e polarizados...

Jgaules (Advogado Assalariado - Criminal)

..., a dias escutei uma frase: "se você é vacinado você pode pegar e transmitir a COVID19" ..."se você não for vacinado você também pode pegar e transmitir COVID19" . Diante deste argumento, me pergunto, quem é voluntarista, o desembargador ou o escritor do texto ora comentado??? Acredito que ambos.
De fato eu ainda não entendo o porquê de toda esta preocupação com os não vacinados, pois, em verdade é a saúde e a genética individual que vai dizer qual será a proporção/resposta da reação à infecção, e não necessariamente o fato do individuo estar vacinado/imunizado - acreditando que possa haver reações em proporções semelhantes aos já infectados. Assim, se eu posso acreditar nestas premissas, obviamente, a saúde pública deve redefinir suas prioridades, e colocar como prioritário a alimentação plena da população, e não preocupar-se com o argumento falacioso de que o não vacinado é o inimigo mortal da sociedade. O inimigo mortal da sociedade é a falta de alimento e consequente saúde precária da população. O inimigo mortal da sociedade e a falta de investimento na educação, na infraestrutura, no saneamento básico, etc. NAQUILO QUE TODOS SABEM MAS NÃO LUTAM PARA ACONTECER. Em suma, todos nós fazemos parte da solução e do problema, portanto, é dever cívico de todos fazer propostas para de fato chegarmos à ter esta sociedade igualitária e democrática que tanto falamos e imaginamos. Quanto ao mais, cabe a nós abandonarmos o EGO ....e refletir verdadeiramente sobre os que é fato (pseudo verdade) e o que é argumento.

600 mil de covid? Vacina evita a contaminação?

Paulo Marcelo (Advogado Autônomo - Civil)

O juridiquês pensa que as elocubrações elaboradas sob os instrumentos, doutrinas e razões jurídicas, podem se separar da substancia contida na autoridade da definição dos fatos como verdadeiros ou falsos.
Não adianta se contorcer para embasar a sua SANTA conclusão, lançando fatos como verdadeiros quando há evidências dos fatos de que a vacina sequer está protegendo quem a toma e de que a vacina nunca foi para evitar a contaminação a terceiros (ou será que agora alem de imunizar o individuo, protege a terceiros?),
Ao ver a luta de quem propaga o projeto "pandemia", notamos que estamos numa GUERRA SANTA, que, a pretexto de estar raciocinando sob o pálio da CIÊNCIA, está se fiando em que já estudava e produziu o vírus...
E Guerra Santa curiosamente praticada por quem sempre apontou o dedo para quem seria o autor do obscurantismo e o agente da antiga guerra santa no mundo ocidental - a Igreja.
E, assim, verificamos que a atual situação amolda-se perfeitamente no quadro que se pintou sobre a luta da Igreja Católica contra os hereges na idade media, assumindo os atuais "religiosos da Santa Ciencia" o papel dantes daquela instituição. É ótimo como Deus desmascara os os seus pretensiosos algozes levando-os a fazer exatamente o que diziam abominar!

Livre convencimento esclarecido sob porrete...

sicario (Advogado Autônomo - Civil)

Infelizmente o articulista se esquece do livre convencimento esclarecido determinado por Nuremberg e Helsinke no tocante a vacinação.
Como pode ser livre o convencimento se você perderá direitos em caso de não aceitar o fármaco suspeito (que não imuniza - vide Dória e outros tantos, não impede contágio - vide Queiroga e outros que tais, ou mortes - Tarcísio Meira e outros)?
E onde está o esclarecimento do indivíduo se não são conhecidos os efeitos colaterais de curto, médio e longo prazo?
Hoje temos passaporte sanitário (que em São Paulo até extinguiu o direito de acesso a Justiça, vide o "valoroso" TJSP), amanhã, quem sabe o professor Lênio não pretenda pendurar estrelinhas amarelas nos não vacinados... (Diga-se que na Inglaterra isso já está acontecendo com crianças não vacinadas forçadas a usar pulseiras...)
Em tempo: quem quiser pode tomar talidomida à vontade, ou acreditar que fezes são mousse de chocolate e cair de boca, só não queiram forçar os outros a isso.....

Sicario

Lucas eterno aprendiz (Estudante de Direito)

Acho melhor o professor Lênio aprender visual law e assemelhados, pois, mesmo fazendo um texto claríssimo, tem gente (advogado ainda) que não consegue entender.
Obs.: sicário significa sanguinário, isto talvez possa indicar por que a defesa ao direito de não se vacinar (graças à vacinação reduzimos a média móvel de morte de 4 mil para 700 por dia, não foi cloroquina responsável por isso!)

Mais um presente de Rangel a Bolsonaro

William Frezze D'Paula (Outro)

Desembargador que garantiu foro privilegiado a Flávio Bolsonaro e chamou de "presente de Natal" derruba passaporte sanitário no Rio. Desta vez seria presente antecipado do que?

Em tempo: o Ministério da Saúde está desenvolvendo um certificado digital que comprova a imunização completa. Será que Rangel irá chamar de "estigma"também, ou ele não contraria o Governo por ser simpático a ele?

Exatamente isso.

Diógenes Laércio (Professor)

O voluntarismo é tão flagrante que até algoritmos e hermeneutas concordam quanto à melhor solução. Perfeito!

Comentar

Comentários encerrados em 8/10/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.