Consultor Jurídico

De volta pro Rio

2ª Turma anula processo de Moro e envia denúncia contra Cunha à Justiça Eleitoral

Por 

A 2ª  Turma do Supremo Tribunal Federal acolheu pedido da defesa do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha, anulou o processo e determinou o envio da denúncia para a Justiça Eleitoral do Rio de Janeiro, retirando o caso da 13ª Vara Federal de Curitiba, que era comandada pelo então juiz Sergio Moro. A denúncia diz respeito ao recebimento de supostas propinas por parte do emedebista e parte dos crimes atribuídos ao ex-deputado foi classificada anteriormente como falsidade ideológica para fins eleitorais.

A decisão na Turma foi por 2 votos a 2 e votaram a favor da reclamação de Cunha os ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski. Os ministros Edson Fachin, relator da matéria, e Nunes Marques votaram contra mas ficaram vencidos. Como se trata de questão criminal, o empate favorece o réu.

Decisão beneficiou Eduardo CunhaReprodução

O ex-deputado questionou decisão da 13ª Vara Federal de Curitiba que, ao tornar prejudicado o recebimento da denúncia no Inquérito 4.146 no que tange ao suposto crime eleitoral, teria desrespeitado decisão do STF, que recebeu tal denúncia de modo integral, inclusive quanto ao crime eleitoral. A lava-jato, porém, desprezou a denúncia quanto ao crime eleitoral para manter o caso na vara de Curitiba.

Na sessão desta terça-feira (14/9), o ministro Gilmar Mendes voltou a criticar duramente a operação "lava jato" que, segundo ele, desrespeitou decisão do STF. "Não havia mais o que descer na escala da degradação. Tratava-se de um problema psicológico, psiquiátrico, com o STF se submetendo à República de Curitiba. Espero que não vejamos isso de novo", disse.

O inquérito foi remetido pelo ministro Teori Zavascki (1948-2017) à Justiça Federal de Curitiba depois que Cunha perdeu o mandato. O ex-deputado foi condenado por supostamente ter recebido vantagens indevidas obtidas pela compra de um campo petrolífero em Benin (África), pela Petrobras.

Na denúncia original, recebida pelo STF em 2016, o ex-presidente da Câmara foi acusado da suposta prática de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas e falsidade ideológica para fins eleitorais. A vantagem indevida, mantida de forma oculta, com dissimulação de sua propriedade e origem, estava em contas bancárias na Suíça.

Quanto à falsidade ideológica para fins eleitorais, o ministro Teori observou que, segundo o Ministério Público, Cunha não declarou, em documento enviado ao Tribunal Superior Eleitoral em julho de 2009, US$ 3,836 milhões nas contas de trusts mantidos na Suíça.

O objetivo da omissão seria para fins eleitorais, pois o denunciado não teria como justificar bens incompatíveis no exterior, o que iria influenciar as eleições pela demonstração de enriquecimento ilícito.

O Plenário seguiu o voto do relator, ministro Teori Zavascki, que entendeu demonstrados indícios suficientes de materialidade e autoria para que Cunha responda a ação penal sobre os fatos.

Segundo a PGR, entre 2010 e 2011, Eduardo Cunha teria solicitado e recebido 1,311 milhão de francos suíços, o correspondente hoje a cerca de R$ 7,5 milhões, provenientes da aquisição do campo petrolífero e transferidos com a participação de Jorge Zelada, então diretor da Área Internacional da Petrobras.

Para pedir a abertura do inquérito, o então Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, se baseou em documentos enviados pelo Ministério Público da Suíça à PGR. Os documentos mostravam contas abertas por Cunha, sua mulher e sua filha, além de extratos de cartões de crédito. As contas não foram declaradas por Cunha nem à Receita Federal e nem à Justiça Eleitoral.

Repercussão
A defesa de Eduardo Cunha, a cargo dos escritórios Aury Lopes Jr Advogados e Figueiredo & Velloso Advogados, comemorou a decisão proferida pela 2ª Turma. "Como foi insistentemente alegado pela defesa, houve uma desvelada manipulação da competência, pelo então juiz Sergio Moro, com a violação da garantia do juiz natural e do devido processo, com o único propósito de perseguir e condenar injustamente Eduardo Cunha."

"A decisão do STF, ao acolher a reclamação interposta pela defesa, restaura a legalidade e o respeito às regras constitucionais do juiz natural e do devido processo", afirmaram os advogados.

"A decisão da Suprema Corte corrige uma injustiça histórica, deixando claro que a 'lava jato' atuou de forma abusiva e perseguiu Eduardo Cunha. O Supremo sana uma usurpação gravíssima efetuada pela 13ª Vara Federal de Curitiba e dá à Justiça Eleitoral a competência que sempre foi sua", afirma outra nota.

Cunha foi defendido pelos advogados Ticiano Figueiredo, Pedro Ivo Velloso, Delio Lins e Silva Júnior, Rafael Guedes de Castro e Aury Lopes Júnior.

RCL 34.796




Topo da página

 é correspondente da revista Consultor Jurídico em Brasília.

Revista Consultor Jurídico, 14 de setembro de 2021, 18h11

Comentários de leitores

12 comentários

Ah! Então é assim......

Skeptical Eyes (Engenheiro)

Um trambiqueiro planeja um delito financeiro e no cronograma também se candidata a algum cargo eletivo.
Se der pau e acharem a grana ele alega que tal bufunfa era para financiar campanha e que não foi declarada por erro do contador . Assim ele se livra da ação penal que decai para a esfera eleitoral .....
Que gênio !
Assim inauguram-se as corrupções com recibo passado e legalizado.
É isto mesmo ou entendi mal ?
Moro estava sempre certo, foi probo, incorruptível e destacou a importância de um juiz eficiente e tão bom que foi capaz de provocar sentimentos inimagináveis em alguns de seus pares.

Responder

Dissonância cognitiva

Skeptical Eyes (Engenheiro)

Ao ver dos comuns, ou sejam, nós tidos como iletrados, desconsiderados e muitas vezes com nossas inteligências subestimadas é mais um réu confesso que sairá ileso e quiçá ainda poderia exigir que os valores (legais ou não) arrestados pela justiça lhes sejam devolvidos.
As decisões judiciais algumas vezes nos dão a impressão que estamos em escolinhas infantis e seus contos de carochinha quando questões eventuais de "error in procedendo" sem nenhuma ressalva encaminha o réu à absolvição ficta e o trouxa que paga impostos assiste atônito ao desfecho sem nada poder fazer.
O exercício da democracia é antes de mais nada o permitir que o indivíduo ponha em prática seu ínfimo direito de participar na auto determinação do povo a que pertence (princípio constante na declaração de direitos humanos) .
Não poderia e não deveria um grupo político ou seus indicados decidirem de forma tão agressiva ao bom senso popular já acostumado com a tese de que cadeia é somente para algumas raças e para muitos sem recursos.
Não se pratica democracia apenas pela existência de eleições, são necessárias instituições que não fujam da pauta e cumpram suas funções sem subterfúgios processualistas, especialmente pelo ator principal já não estar mais em cena e não fazer mais parte do clã.

Responder

Princípio do juiz natural

Artur lei é p todos (Advogado Autônomo - Administrativa)

A Constituição e a legislação penal prescrevem o princípio do juiz natural. Como já visto em várias decisões de tribunais de segunda, terceira instância e até do STF, o acusado de algum crime tem direito de ser processado por um juiz natural ou seja, juiz competente e provido de imparcialidade.
Na contramão da legislação, o juízo da 13ª Vara de Curitiba era quem escolhia o réu que queria julgar. Tudo pelo estrelato e fama, com vistas à ganhos políticos.
E foi isso mesmo que aconteceu. Como recompensa, o ex-juiz virou ministro da justiça e quase foi pro STF.
Lastimável!

Responder

Hein?

Afonso de Souza (Outros)

Moro era o juiz natural. A vara de Curitiba foi confirmada como o foro competente por 5 anos! Lastimável foi a tramoia que fizeram para blindar o Lula!

Juiz natural

Skeptical Eyes (Engenheiro)

O juiz natural ao que se sabe é aquele do local do cometimento do ato e onde foi apresentada a acusação. Acusações correlatas requeriam a especialização da vara de Curitiba cujo titular tem especialização em delitos daquele tipo.
Moro era sim o juiz natural para a causa correlata. Tudo isto que assistimos é um triste show e Lula é apenas a ponta do iceberg cujo tamanho real jamais saberemos pois mutilaram a Lava Jato que foi uma operação que trouxe aos brasileiros conscientes a esperança de morar num país decente. O eventual interesse de Moro em integrar o STF, se é que havia, não terá sido grande o suficiente para referendar e conviver com a nojeira que se vê no governo atual e quem sabe nem sequer desejasse ser um político usando toga.

Ver todos comentáriosComentar