Consultor Jurídico

tempus regit actum

STJ admite compensação da sucumbência em execução na vigência do CPC de 2015

Retornar ao texto

Comentários de leitores

1 comentário

Dando-se fôlego ao mito do juiz invejoso

Paulo Roberto Muniz Jr (Advogado Sócio de Escritório - Criminal)

Me fez lembrar a triste declaração do então Presidente da AJUFE, ao defender a pauta do auxílio-moradia: “Como o juiz pode ter tranquilidade para trabalhar, se o advogado que está ao seu lado está ganhando muito mais que ele? Se o defensor público ganha mais que ele?”.
Me nego a acreditar, mas será que há sentido a suspeita de que alguns juízes odeiam o fato de que vários advogados ganham por um processo o que eles ganham no mês (ou bem mais), atuando em milhares de processos?!

Responder

Comentar

É necessário se identificar fazendo login no site para poder comentar.
Não tem conta na ConJur? Clique aqui e cadastre-se!