Consultor Jurídico

Frente ampla?

Movimentos pelo impeachment têm baixa adesão, mas presença de políticos

Com público muito menor que o esperado, estão acontecendo neste domingo (12/9), em diversas cidades do país, manifestações pelo impeachment do presidente Jair Bolsonaro, convocadas pelo Movimento Brasil Livre (MBL) e pelo grupo Vem pra Rua. Os protestos, previstos para 19 capitais, são uma respostas às manifestações de 7 de setembro, que foram a favor do presidente.

Manifestantes contra Bolsonaro na Avenida Paulista 
Twitter/MBL

Segundo a CNN Brasil, na Avenida Paulista, em São Paulo, os manifestantes começaram a se concentrar nas imediações do Museu de Arte de São Paulo (Masp) às 11h. Por volta das 15h, o ato na Paulista se dividia em três grupos. O grupo principal está reunido no Masp e usa camisetas brancas. Outros dois grupos estão espalhados em outros pontos da avenida.

Participaram do ato em São Paulo políticos como João Doria, governador de São Paulo; o ex-ministro Ciro Gomes, candidato à presidência pelo PDT, o ex-ministro da Saúde do governo Bolsonaro, Luiz Henrique Mandetta, e João Amoêdo (Novo).

"Nós somos diferentes, temos caminhadas diferentes, temos olhar sobre o futuro do Brasil diferentes", disse o presidenciável Ciro Gomes durante o ato, conforme publicado no Estadão. "Mas o que nos reúne é o que deve unir toda sociedade civicamente sadia, é a ameaça da morte da democracia e do poder da nação brasileira."

Em Brasília, o ato tem a participação de aproximadamente 100 pessoas, que se concentraram próximas à Biblioteca Nacional, afirmou a CNN. Já no Rio de Janeiro, os manifestantes se concentraram em Copacabana, na zona sul, ao lado de um carro de som a partir das 10h. No começo da tarde, o ato já havia sido encerrado.

Em Salvador, Manaus e Belo Horizonte, os atos aconteceram a partir das 8h, mas também já estavam dispersos no começo da tarde. Protestos também foram convocados em Florianópolis, Curitiba, Goiânia e São Luís.

Na capital mineira, o ato ficou concentrado na Praça da Liberdade, região central, e foi encerrado por volta de 12h50. Manifestantes carregavam bandeiras de partidos políticos e cartazes contra o governo, noticiou a CNN.

Já na capital paranaense, os manifestantes se reúnem na Boca Maldita, região central da cidade, e por volta das 16h os manifestantes continuavam no local. De acordo com o Estadão, Belo Horizonte e Rio de Janeiro reuniram os maiores contingentes até agora.

Os manifestantes pedem também mais vacinas contra a Covid-19 e o respeito à democracia e às instituições. A intenção dos organizadores era unificar movimentos de oposição a Bolsonaro.

Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, fez piada com o pequeno número de manifestantes nos atos a favor do impeachment do pai. Ele publicou fotos dos protestos em Salvador, Rio de Janeiro, São Paulo e Vitória com baixa adesão e escreveu “Cuidado! Cenas fortes...”.

Militantes de parte da esquerda usaram as redes sociais neste domingo para criticar as manifestações convocadas por grupos de centro-direita. A direção do PT já anunciou uma manifestação contra Bolsonaro para 2 de outubro. No entanto, alguns nomes da esquerda participaram dos atos de hoje, como a deputada estadual Isa Penna (PSOL-SP) e o deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP)




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 12 de setembro de 2021, 17h07

Comentários de leitores

3 comentários

Sem barulho, nem autoafirmação.

Eduardo. Adv. (Advogado Autônomo)

Eu, como tantos outros que o desaprova(mos), fiquei(amos) em casa. Não precisamos fazer barulho, nem o nosso "eu" necessita de autoafirmação social ou sensação de pertencimento.

Baixa Adesão...?? kkkk

Eliel Karkles (Advogado Autônomo - Civil)

A vergonha vai ser no crédito ou no débito? O esforço para demonstrar que foi alguém. Se apertar cada tudo em uma Kombi... Não passa disso. E segundo o DataFoice, foi um "zilhão" de pessoas.

O recado foi dado dia 7/9...

R.A.R (Advogado Autônomo - Administrativa)

As manifestações do dia 7/9, ordeiras e pacíficas, deram o recado a esquerda e aos anti atual governo, respeitem a vontade do povo, então. Isso é democracia, pois o povo disse o que acha. Esse movimento onde faltou as cores do Brasil, basta ver a foto publicada sobre essas manifestações de ontem, 12/9, mostra seu intuito antidemocrático e contra a vontade popular. Não é sobre ser bolsonarista, mas sobre ser brasileiro. Chega de pregarem golpe, aceitem a vontade do povo. Esquerda nunca mais, chega de corrupção e desvio de recursos, chega de financiar amigos comunistas com dinheiro do BNDES, chega de escândalos como mensalão, petrolão, dinheiro na cueca, entre outros... Logo, não se trata de Bolsonaro, mas do fim dessa podre corrupção que hoje patrocina essa cpi da covid, que sequer é séria, senão iria buscar o dinheiro desviado da saúde nos Estados e Municípios, que eram verba federal. Respeitem a democracia, chega de golpes no Brasil.

Comentários encerrados em 20/09/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.