Consultor Jurídico

reunião familiar

Mesmo sem visto, juiz garante a haitianos direito de visitar família no RS

Familiares estrangeiros têm direito a reunião familiar, como dita a Lei de Imigração. Com base nesse entendimento, a 6ª Vara Federal de Porto Alegre permitiu o ingresso no Brasil de familiares de haitianos que moram no Rio Grande do Sul sem posse de visto. A família é integrante da Associação de Integração Social (Aintenso), autora da ação. A sentença, publicada na sexta-feira (8/10), é do juiz Altair Antonio Gregório.

Reprodução/Passport Index

A Aintenso ingressou com a ação no dia 5 de abril. Com ênfase na catástrofe haitiana ocorrida em 2010 e o intenso fluxo migratório de sua população em busca de melhores condições de vida, ela pontuou que o Brasil foi afirmado por suas autoridades como uma nação de acolhimento e que a Lei da Imigração dá amparo ao deferimento de vários tipos de visto, dentre eles o visto para reunião familiar.

Para sustentar seu pedido, no entanto, a autora destacou os inúmeros obstáculos à obtenção do direito de migrar para o país, nenhum deles legal: entre eles, cobrança de propina para entrar no consulado e o fato de o pedido de visto ser feito por agendamento.

Já a União discorreu sobre a legislação do Direito Migratório no Brasil. Sustentou a competência exclusiva do Poder Executivo para analisar os procedimentos e pedidos de ingresso e permanência no país.

Ao analisar o caso, o relator juiz Altair Antonio Gregório destacou que, de fato, a Embaixada do Brasil no Haiti é investigada por cobrança de propina em vistos e não tem disponibilizado um sistema informatizado eficiente para a proposição de requerimentos.

Ele julgou procedente a ação determinando que a União permita os ingressos, em território nacional, sem a necessidade de visto, dos familiares dos haitianos que vivem no RS e que estejam associados à autora da ação. Cabe recurso da decisão ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região. Com informações da assessoria de imprensa da JFRS.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 14 de outubro de 2021, 21h55

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 22/10/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.