Consultor Jurídico

A ver Navios

Juiz afasta responsabilidade de banco por golpe feito via Pix

Por 

A responsabilidade dos fornecedores na relação de consumo pode ser rebatida caso seja comprovada a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro no evento danoso.

Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Assim, a Vara do Juizado Especial Cível do Foro de Itaquera, na capital paulista, negou pedido de compensação por danos materiais e morais a uma consumidora referente a um golpe sofrido por meio do Pix.

Ao tentar adquirir um veículo, a mulher transferiu R$ 3.500 para terceiro via Pix e descobriu ter sido vítima de golpe. Ela acionou a Justiça contra o banco digital C6, por suposta falha na prestação de serviços. 

No entanto, o juiz João Aender Campos Cremasco considerou que não haveria "relação do réu com o infortúnio experimentado pela requerente". Segundo ele, o banco não participou do golpe e nem mesmo poderia impedir a operação, já que foi feita pela própria correntista, mediante sua senha.

O banco foi representado pelo escritório Rosenthal Guaritá Advogados.

Clique aqui para ler a decisão
0007380-24.2021.8.26.0007




Topo da página

 é repórter da revista Consultor Jurídico.

Revista Consultor Jurídico, 9 de outubro de 2021, 16h21

Comentários de leitores

1 comentário

????

neimyr G guaycurus (Outros)

Não entendi, a reportagem esta super incompleta; ela depositou para quem? A conta era legal, ou era alguma conta falsa?

Comentários encerrados em 17/10/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.