Consultor Jurídico

Opinião

Primeiras impressões sobre a Lei Mariana Ferrer e o Tribunal do Júri

Por 

Recentemente publicada, a Lei n°14.245/21 traz em seu bojo questões problemáticas, especialmente naquilo que tange ao Tribunal do Juri.

Que fique claro, somos cientes do inaceitável fenômeno da sobrevitimação. No entanto, também somos cientes de que o regulamento processual penal é escudo do réu ante o Estado acusador. A pretexto de tutelar os interesses das vítimas, essa lei acaba por dificultar a defesa plena a que tem direito o réu no júri e inverte a base principiológica do processo penal.

Vamos a um simples exemplo: você está à frente da defesa de um acusado de homicídio qualificado, crime hediondo com todos os seus consectários. A vítima do seu caso ostenta varias passagens pela polícia. Já o seu cliente possui uma única passagem.

Pois bem. Conforme vier a ser interpretada essa lei, notadamente face à abertura conceitual desta, a defesa não poderá fazer menção às passagens policiais da vítima e, pior, ainda verá a acusação brandir o único antecedente de seu cliente.

Vão-se embora do plenário, envergonhadas pelo "pito" do juiz-presidente, a defesa plena e a paridade de armas. De um lado, a acusação plena. Do outro, a defesa manietada. Sem falar que, assim, se subtrai dos jurados, verdadeiros juízes do caso, prova importante, pois, de sabença geral, o Tribunal do Júri não julga tão somente os fatos, mas o binômio réu/vítima também.

Malgrado as boas intenções que deram motivo à criação da Lei n° 14.245/21, temos que a mesma, diante de suas vedações genéricas, acabará por gerar profundos destemperos no trato dos acusados pelo Tribunal do Júri, em especial frente ao artigo 5°, inciso XXXVIII, da Constituição Federal.

A reconsideração da vítima, movida no sentido de resgatar sua dignidade, é válida desde que, para isso, não se atropelem os direitos constitucionais do acusado. Como o dito popular, "não se cobre um santo descobrindo o outro".

P.S.: O meu receio é a casuística. O que cada métrica moral dos juízes-presidentes fará do Oiapoque ao Chuí...




Topo da página

 é advogado criminalista.

Revista Consultor Jurídico, 29 de novembro de 2021, 18h09

Comentários de leitores

1 comentário

in claris cessat interpretatio

César127 (Promotor de Justiça de 1ª. Instância)

A lei diz claramente 'durante a instrução", e não durante os debates. Logo a argumentação do causídico cai por terra!

Comentários encerrados em 07/12/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.