Consultor Jurídico

decreto municipal

Justiça proíbe detenção por desrespeito ao toque de recolher em Campinas (SP)

Por entender que as medidas ultrapassavam os limites do poder de polícia e ofendiam direitos e garantias fundamentais, a 2ª Vara da Fazenda Pública de Campinas (SP) concedeu Habeas Corpus para proibir que os habitantes da cidade sejam conduzidos à delegacia caso desobedeçam o toque de recolher imposto pela prefeitura.

Município de Campinas adotou toque de recolher neste mêsPrefeitura de Campinas

No último dia 17/3, o governo municipal estabeleceu um decreto que vedou a circulação de pessoas entre 20h e 5h e autorizou a abordagem da Polícia Militar ou da Guarda Municipal para registro de termo circunstanciado de ocorrência (TCO). A Defensoria Pública estadual alegou que a medida não poderia restringir a circulação em via pública.

"A previsão em legislação infraconstitucional do estado de calamidade, por sua vez, não torna possível restringir preceitos fundamentais da Constituição Federal. O poder de polícia, que tem fundamento da supremacia do interesse público e nisso pode resultar em sacrifícios de direitos, mas esse poder não é ilimitado", apontou o juiz Wagner Roby Gidaro.

Para o advogado criminalista Guilherme Luís Martins, a decisão do juiz é acertada. Segundo ele, a prefeitura só poderia impor um toque de recolher se o governo federal decretasse estado de sítio. "As medidas de isolamento social são necessárias, mas eventual descumprimento do cidadão não pode ser considerado crime", pontua.

"É importante destacar que a detenção do cidadão para registro de termo circunstanciado acarretará um registro criminal na sua folha de antecedentes criminais", observa o advogado Danilo Campagnollo Bueno, especialista em Direito Penal Econômico.

Clique aqui para ler a decisão
1011914-61.2021.8.26.0114




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 26 de março de 2021, 20h23

Comentários de leitores

1 comentário

Comentaristas escolhidos

Rodrigo P. Barbosa (Advogado Autônomo - Criminal)

Para uma questão que é, essencialmente, de Direito Constitucional, o Conjur convidou para comentar um advogado criminalista e um especialista em direito penal econômico?
Sem o menor desrespeito aos colegas, que tenho certeza são brilhantes em suas áreas, mas é a mesma coisa que convidar um tributarista para comentar sobre uma ação de divórcio.

Comentários encerrados em 03/04/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.