Consultor Jurídico

Reflexões Trabalhistas

Quando a Justiça do Trabalho diz que responsabilidade social importa

Por 

Em 2/2/2018, tivemos oportunidade de escrever nesta coluna sobre a natureza jurídica e social do contrato de trabalho, em que não basta ao empregador o pagamento de salário e que o empregado deve ser visto na sua universalidade. Naquele momento tínhamos uma decisão paradigmática do TRT-SP (Processo 10009605020175020037), da lavra da juíza Liane Martins Casarin, sobre cuidados de filho autista, mantendo decisão de primeira instância da juíza Sandra Miguel Abou Assali Bertelli (37ª Vara da Justiça do Trabalho de São Paulo) que afirmara o seguinte: "Portanto, amparo jurídico há, de forma suficiente, a permitir o acolhimento da pretensão deduzida pela trabalhadora (sic), assim como, ao revés do quanto afirmado na defesa, há comprovação cabal de que o transtorno autista de que é portador do filho da reclamante inspira cuidados especiais e acompanhamento permanente de sua mãe que desafiam a aplicação de todo o arcabouço constitucional, legislativo e fontes internacionais mencionadas a amparar o tratamento adequado à inserção da criança na família e na sociedade".

Agora, o sítio do Tribunal Superior do Trabalho faz menção à decisão da 8ª Turma, em acórdão do ministro Márcio Amaro, que, à unanimidade, manteve acórdão do TRT-6ª Região com a seguinte chamada: "Nutricionista que tem filha com Síndrome de Down obtém redução da jornada de trabalho", referindo-se ao caso envolvendo a Petrobras em que mãe de uma filha com síndrome de Down teria obtido no regional a redução da jornada em 25%, sem prejuízo do salário, com a finalidade de "acompanhar a criança em atendimentos médicos e terapêuticos, necessários ao seu desenvolvimento" (AIRR-607-91.2017.5.06.0012).

Nos fundamentos para a proteção da empregada foram trazidos a Convenção Internacional sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência (Decreto nº 6.949/2009), a Convenção sobre os Direitos da Criança e o Estatuto da Pessoa com Deficiência (Lei nº 13.245/2015).

De novo o que se constata é a relevância da responsabilidade social das empresas vis-à-vis a condição de vida de seus empregados, de modo a que seja permitido que o trabalho não se constitua em obstáculo às necessidades da vida social, em especial quando se trata de cuidados extraordinários em doenças tais como a que se apresentou.

O contrato de trabalho não se resolve exclusivamente pelas obrigações da prestação de serviços dado que não se trata de simples materialidade, mas envolve a pessoa humana com todas suas dificuldades existenciais presentes ou advindas ocasionalmente na vida pessoal.

Como dissemos em fevereiro de 2018, "o contrato de emprego tem uma natureza que difere dos demais contratos que é a responsabilidade social da empresa em relação às condições de vida pessoal do trabalhador, incorporadas ao contrato quando de sua celebração. Portanto, as obrigações não são apenas aquelas que estão às vistas e expressas no contrato. Há também um dever secundário de acolhimento do trabalhador em sua universalidade, sem exclusão de eventuais dificuldades oriundas de sua vida pessoal e familiar e que são fundamentais para a integração na vida em sociedade".

Repita-se: "Ser trabalhador e ser cidadão são condições que caminham juntas com o propósito de que se atinja o respeito à dignidade da pessoa humana".

Muito se fala em cumprimento de quotas de trabalhadores com deficiência nas empresas, todavia a lei não se refere à importância e à necessidade de que trabalhadores com encargos de filhos com deficiência tenham condições especiais de trabalho, nem trata de formas de incentivo às empresas para que atendam às necessidades específicas de seus trabalhadores.

Em 2018, disse a juíza Liane Martins Casarin que "mesmo não havendo na legislação, previsão expressa que permita à reclamante reduzir sua jornada sem redução salarial, é preciso avançar no sentido da plena inclusão, é preciso romper velhos paradigmas de uma sociedade que ainda não viveu a inclusão. É uma mudança de comportamento que, hoje, perpassa por uma atuação firme do Poder Judiciário. Portanto, todo artigo, alínea ou inciso de lei que puder conferir expressamente direitos a crianças e adolescentes com deficiência será muito benvinda pela comunidade jurídica nacional".

No limite, a Justiça do Trabalho vem impondo uma jurisprudência consolidada em documentos internacionais ou leis programáticas de forma a que o apego à responsabilidade social seja considerado necessário a fim de que seja humanizado o contrato de trabalho em toda sua dimensão obrigacional e social.




Topo da página

 é advogado e professor da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e da Fundação Getulio Vargas.

Revista Consultor Jurídico, 12 de março de 2021, 8h01

Comentários de leitores

3 comentários

Reflexão

Advogada Professora (Advogado Sócio de Escritório)

Se houvesse um pouco mais de empatia ao invés de hipocrisia, nem precisaríamos de decisões humanitárias como as citadas. É, no mínimo, revoltante culpar a Justiça do Trabalho, que tenta equilibrar a balança, pela "fuga" das empresas ou "trabalho informal". O sujeito que esmaga o outro por dinheiro, ignorando que ali também tem um ser humano que também precisa de direitos, a saber, mães que não tem a quem recorrer para atender às necessidades de seus filhos com FRISE-SE autismo e síndrome de down (porque a carga é da mãe) como os dois comentários que li aqui me causam medo, medo porque ao que parece ignoram o que é viver em sociedade, o que é fraternidade. O texto deveria servir - ao menos- para refletir e evoluir como ser humano. A carga tributária e a má distribuição dos gigantescos recursos arrecadados são os grandes vilões da nossa economia. É preciso entender o todo para não reproduzir discursos nefastos.

É....

Luiz Adriano Machado Metello Junior (Advogado Autônomo - Civil)

Enquanto por um lado alguns ativistas querem essa utopia do emprego, com essa tal responsabilidade social do empregador, por outro os grandes empregadores fogem do Brasil como o diabo foge da Cruz.
O custo de manter um empregado no Brasil é justamente o que trava o emprego e o que desvia grande parcela da população para o trabalho informal.

O dia que os sindicalistas e ativistas judiciais acordarem para essa realidade, enxergarão que esse engessamento transformou o país em cinzas.

Ja dizia Isaac Newton:
“A toda ação há sempre uma reação oposta e de igual intensidade"

Essa máxima, originalmente intentada a descrever um fenômeno da física, tem se mostrado verdadeira também na política e na sociedade como um todo.

Pra que investir no Brasil, se da pra investir na china e importar o mesmo produto pela metade do preço e vender aqui sem ter que pagar continência pra CLT não é?

Responsabilidade social

O ESCUDEIRO JURÍDICO (Cartorário)

Essa responsabilidade social aumenta os custos das empresas, principalmente em um momento de baixa das trocas econômicas. E, nas entrevistas de emprego, perguntarão se o candidato poderá cumprir o horário integral.
A responsabilidade social é necessária. Mas depende do momento político, econômico e jurídico.

Comentários encerrados em 20/03/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.