Consultor Jurídico

Luto no MPF

Morre o procurador Alessandro Oliveira, chefe da "lava jato" no Paraná

O procurador da República Alessandro José Fernandes de Oliveira, chefe da apelidada "lava jato" no Paraná, morreu nesta quinta-feira (20/5). O Ministério Público Federal decretou luto oficial de três dias.

Alessandro José Fernandes de Oliveira
Divulgação

O ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal, lamentou o falecimento precoce do procurador, de quem era amigo: "Foi uma pessoa diferenciada — preparado, humanista e que respeitava a institucionalidade do serviço público". O ministro transmitiu os votos de profundo pesar à família e aos amigos de Alessandro.

O procurador-geral da República, Augusto Aras, também lamentou a morte do procurador. "O colega Alessandro fará falta neste momento em que estamos institucionalizando as forças-tarefas. Sua competência, dedicação, ponderação e lealdade ao MPF são exemplos a serem seguidos", destacou.

Oliveira tinha 45 anos e morreu  no Paraná, onde era titular do 15º Ofício, ao qual estão vinculados os processos da chamada operação "lava jato", atualmente vinculados ao Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

Na mensagem de pesar, Augusto Aras se solidarizou com a família do procurador. "Que o Divino Espírito Santo conforte a família, os amigos e colegas enlutados. Obrigado, Alessandro", completou.

Membro do Ministério Público Federal desde 2004, há nove anos Alessandro Oliveira era lotado da Procuradoria da República no Paraná. Entre 2018 e 2020 atuou na assessoria criminal na Procuradoria-Geral da República, tendo sido o responsável pelo desenvolvimento do Sistema de Monitoramento de Colaborações Premiadas (Simco). No ano passado, ele deixou o trabalho na PGR após permuta interna que o levou à coordenação do trabalho da força-tarefa.

No MPF, o procurador foi conselheiro do Conselho Penitenciário do Estado do Paraná (2011/2013), coordenador da Rede de Controle da Gestão Pública no Estado do Paraná (2012/2016) e procurador regional Eleitoral no Estado do Paraná (2013/2017). Integrou, ainda, os Grupos de Trabalho Medidas Cautelares Reais, das câmaras Criminal (2CCR) e de Combate à Corrupção (5CCR).

Alessandro de Oliveira era graduado em Segurança Pública pela Academia Policial Militar do Estado do Paraná (1993) e em Direito pela Universidade Federal do Paraná (2002). Mestre em Direito das Relações Sociais pela UFPR, era professor em disciplinas com ênfase no Direito Criminal e Processual Penal desde 1996 e docente nas disciplinas de persecução patrimonial e administração de bens na Escola Superior do Ministério Público da União. Com informações da assessoria do MPF.




Topo da página

Revista Consultor Jurídico, 21 de maio de 2021, 8h53

Comentários de leitores

3 comentários

Procuradoria da república em curitiba

O ESCUDEIRO JURÍDICO (Cartorário)

Diz parte do texto: "O procurador da República Alessandro José Fernandes de Oliveira, chefe da apelidada "lava jato" no Paraná, morreu nesta quinta-feira (20/5). O Ministério Público Federal decretou luto oficial de três dias.
O procurador-geral da República, Augusto Aras, lamentou a morte do procurador. "O colega Alessandro fará falta neste momento em que estamos institucionalizando as forças-tarefas. Sua competência, dedicação, ponderação e lealdade ao MPF são exemplos a serem seguidos", destacou.
Oliveira tinha 45 anos e morreu no Paraná, onde era titular do 15º Ofício, ao qual estão vinculados os processos da chamada operação "lava jato", atualmente vinculados ao Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).
Na mensagem de pesar, Augusto Aras se solidarizou com a família do procurador. "Que o Divino Espírito Santo conforte a família, os amigos e colegas enlutados. Obrigado, Alessandro", completou".

A "herança do Doutor Deltan Dallagnol" deixado ao Doutor Alessandro, não foi nada convidativa.
A constelação de indícios ficou só na teoria.

Causa mortis

Mr. Apoja (Procurador da Fazenda Nacional)

Segundo o Estadão: "Aos 45 anos, ele passava por um tratamento de câncer e enfrentava complicações de um AVC."

Qual a causa da morte ?

Rejane G. Amarante (Advogado Autônomo - Criminal)

Morreu de Covid ?

Comentários encerrados em 29/05/2021.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.